COTIDIANO / Quarta, 02 Fevereiro 2022 09:22

Movimento negro convoca ato contra assassinato de Moïse Kabagambe

Comunidade congolesa e familiares irão se reunir em frente ao quiosque na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro; na capital paulista, o ato será no vão livre do Masp às 10h

 

Texto: Redação I Imagem: Reprodução

ilustração do rosto do jovem moise, congoles morto no Rio
Introdução:

Comunidade congolesa e familiares irão se reunir em frente ao quiosque na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro; na capital paulista, o ato será no vão livre do Masp às 10h

 

Autor:

Texto: Redação I Imagem: Reprodução

Foram marcados para o próximo sábado, dia 5, os protestos contra o brutal assassinato do trabalhador congolês Moïse Kabagambe, dia 24, porque cobrou R$200 por dois dias de trabalho no quiosque Tropicália, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Moïse tinha 24 anos e estava no Brasil desde 2014. A polícia prendeu três suspeitos de participarem do espancamento que durou vários minutos, com pedaços de madeira e um taco de basebol. Após a morte de dele, o quiosque continuou funcionando normalmente.

De acordo com a polícia, as imagens gravadas estão em investigação, além disso, as testemunhas também estão sendo ouvidas para tentar identificar os agressores, que podem ser de cinco a oito pessoas. Nas gravações, o horário registrado do início das agressões é 22h26.

No Rio de Janeiro, o ato é convocado pelos familiares do trabalhador congolês e entidades do movimento negro organizado, a concentração sera às 10h, em frente ao quiosque, que fica no posto Oito da Barra da Tijuca. Em São Paulo, o protesto é organizado pela comunidade congolesa, movimentos imigrantes e movimentos negros. O ponto de encontro será o vão livre do MASP (Museu de Arte de São Paulo) também às 10h.

Na tarde do dia 1º de fevereiro, o dono do quiosque foi ouvido na 16ª delegacia de polícia (Barra da Tijuca) e afirmou não conhecer os agressores de Moïse, além disso, contou que não havia diárias de trabalho não pagas.

O jovem foi espancado e o corpo dele foi amarrado e deixado perto de uma escada. A família só soube da sua morte 12 horas após o crime. No IML (Instituto Médico Legal), eles descobriram que os órgãos do jovem foram retirados sem autorização.

Um dos envolvidos no crime, chamado Alison, que se entregou na delegacia nesta terça-feira (1º), gravou um vídeo dizendo que não tinham a intenção de matar o imigrante e que estariam separando uma briga entre ele e um senhor que estaria no quiosque ao lado, no entanto, essa versão não condiz com as imagens que foram gravadas pelas câmeras de segurança.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg