COTIDIANO / Quinta, 22 Setembro 2022 11:34

“Minha geração é formada por intelectuais negros ignorados pela universidade”, diz Sueli Carneiro

Sueli Carneiro se tornou a primeira mulher negra a receber o título de doutora Honoris Causa da UnB; a última pessoa negra a receber a outorga foi Abdias do Nascimento

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Elias Santana Malê | Imagem: Divulgação/Matheus Alves

Introdução:

Sueli Carneiro se tornou a primeira mulher negra a receber o título de doutora Honoris Causa da UnB; a última pessoa negra a receber a outorga foi Abdias do Nascimento

Autor:

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Elias Santana Malê | Imagem: Divulgação/Matheus Alves

Sueli Carneiro recebeu, nesta quarta-feira (21), o título de Doutora Honoris Causa, pela Universidade de Brasília (UnB). Ela é a primeira mulher negra a receber a homenagem nesta instituição de ensino. Antes dela, apenas três homens negros haviam recebido a outorga: Abdias do Nascimento, Milton Santos e Nelson Mandela.

A condecoração foi dada pelas mãos da reitora Márcia Abraão. No auditório Esperança Garcia, da Faculdade de Direito, estavam cerca de 500 pessoas. Em seu discurso, Sueli disse que, a sua geração de militantes negros “foi educada e conscientizada pelo movimento negro, por seus intelectuais ignorados pela universidade brasileira”. 

“Portanto, sei que este título presta reverencia a pensadores e pensadoras que forjaram nossas consciências, nossas vozes insurgentes, no calor das lutas que travaram contra o racismo e o sexismo”, ressaltou Carneiro.

Durante sua trajetória, Sueli Carneiro se empenhou em "desnudar os dispositivos de saber e poder implicados na persistente reprodução da inferioridade social das pessoas negras". Para ela, a luta mais importante da humanidade é conquistar a equidade de gênero e de raça. 

“Neste sentido, me ocupei em desagregar racialmente dados censitários para produzir evidências das desigualdades raciais entre as mulheres. Me ocupei em afirmar valores culturais negro-africanos que sustentam a identidade e a resistência das mulheres negras. Me ocupei em produzir argumentos para consubstanciar uma estratégia política, de enegrecimento do ideário feminista, em especial, no âmbito das políticas públicas voltadas para a promoção da igualdade de gênero”, disse em seu discurso. 

Por fim, ela declarou que compreende o título como o reconhecimento da justeza das lutas das mulheres e homens negros que “clamam por um novo pacto civilizatório que desaloje os privilégios consagrados de gênero e de raça". 

À Alma Preta Jornalismo, colegas e admiradores de Sueli Carneiro disseram que este é um momento memorável. A advogada Vera Lúcia, que compõe a lista tríplice para o cargo de ministra do Tribunal Superior Eleitoral, conviveu com Sueli e ressalta que é um grande marco para a universidade brasileira, uma aula que a UnB oferta para as demais instituições. 

O professor Wanderson Flor do Nascimento afirmou que a ativista é uma referência de luta tanto militante como intelectual. Para ele, essa reverência às pessoas negras precisa ser feita ainda em vida, para que “mantenhamos os nossos símbolos vivos”. 

Bianca Santana, diretora da Casa Sueli Carneiro, expôs à reportagem que foi uma emoção muito grande ver Sueli e outras mulheres negras da mesma geração serem homenageadas neste momento. Ela, que escreveu a biografia de Sueli Carneiro, diz que a responsabilidade das mulheres mais novas é de continuar e documentar os feitos históricos das mais velhas, aprendendo sempre um pouco mais sobre a luta e perseverança das mulheres negras. 

“O papel dessas gerações se acumulaa nas nossas interações. A gente quer construir junto com as nossas ancestrais, com as mais velhas, preparando o caminho para quem vem depois”. 

A UnB foi a pioneira entre as universidades federais que implantaram o sistema de cotas raciais. Este ano, foi criada a Secretaria de Direitos Humanos, com o objetivo de fortalecer as políticas de direitos humanos, e está sob chefia da professora Débora Santos. 

Autora de oito livros e vários artigos sobre o racismo no país, Sueli Carneiro defendeu em 2005 a tese 'A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser', no curso de Filosofia da Universidade de São Paulo, em que utiliza os conceitos de Dispositivo e Biopoder, de Michel Foucault, para analisar as relações raciais no Brasil. Em sua vasta publicação, defende a necessidade de enegrecer o feminismo e denuncia o apagamento ou epistemicídio de mulheres negras que chegam ao poder. 

Por sua obra e militância, a filósofa paulista recebeu vários prêmios, dentre eles: Prêmio Kalman Silvert (2021), Prêmio Especial Vladimir Herzog (2020), Prêmio Itaú Cultural 30 Anos (2017), Prêmio Benedito Galvão (2014) e Prêmio Direitos Humanos da República Francesa. Também foi integrante do Conselho Nacional da Condição Feminina, onde criou o único programa brasileiro de orientação na área de saúde voltado para mulheres negras.

Leia mais: "É preciso derrotar o nazi-fascismo", diz Sueli Carneiro

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg