COTIDIANO / Sábado, 24 Julho 2021 15:08

Mesmo sob chuva, manifestantes se reúnem no ato 'Fora Bolsonaro' em Salvador

Trios elétricos guiaram manifestantes que pediram pelo impeachment de Bolsonaro, por vacina e auxílio emergencial; em toda a Bahia, manifestações foram realizadas em quase 40 cidades

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Iago Augusto Alma Preta Jornalismo

Introdução:

Trios elétricos guiaram manifestantes que pediram pelo impeachment de Bolsonaro, por vacina e auxílio emergencial; em toda a Bahia, manifestações foram realizadas em quase 40 cidades

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Iago Augusto Alma Preta Jornalismo

Mesmo com a chuva que atinge Salvador, manifestantes, centrais sindicais e líderes políticos se reuniram neste sábado (24) no Largo do Campo Grande. O quarto ato nacional pelo "Fora Bolsonaro" pede o impeachment do presidente e a maior disponibilização de vacinas contra a Covid-19. Protestos foram realizados também em outros 40 municípios da Bahia.

Em três trios elétricos, o ato seguiu sob o lema "Vacina no braço, comida no prato" e foi marcada pelo repúdio às denúncias que envolvem o superfaturamento na compra das vacinas pelo governo federal. O Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro) e o Sindicato dos trabalhadores dos Correios também foram às ruas para pedir o fim da privatização das estatais.

Durante o protesto, manifestantes, que faziam o uso de máscaras e álcool gel, também ecoaram a insatisfação com o fim do auxílio emergencial e prestaram memória às quase 550 mil vidas perdidas em razão da Covid-19.

Representante do movimento negro, a presidenta nacional da UNEGRO, Ângela Guimarães reforçou o chamado da população para as ruas para pedir o retorno do auxílio emergencial e condições dignas diante da má gestão durante a pandemia. Para ela, a situação atual é "inaceitável".

"A expectativa da UNEGRO é que a pressão popular cada vez se amplie mais para que a gente possa, de fato, conseguir algo central para assegurar a preservação da vida do povo brasileiro que é o impeachment de Bolsonaro. As condições estão dadas, há provas e muitos elementos que comprovam a corrupção na aquisição de vacinas, o manejo intencionalmente perverso para gerar um número crescente de mortes e medidas que vem a colocar a população em desespero, como o corte no auxílio emergencial. Essa situação é inaceitável, é insustentável, precisamos de uma mudança para que a vida da população esteja no centro", destacou Ângela.

Membros da comunidade LGBTQIA+ pediram respeito e a garantia de direitos conquistados ao longo dos anos. O ativista pelo movimento 'Evangelicxs pela Diversidade' Alan Di Assis defendeu a liberdade da comunidade no âmbito religioso.

"A gente também está aqui para falar que Deus não é propriedade de ninguém, muito menos desses coronéis da fé, desses que servem a esse sistema de morte que está posto. O Deus que a gente crê é um Deus que gera vida e é um Deus que criou a diversidade e celebra ela", pontuou o ativista, que também é jornalista.

Esporte contra o fascismo

A comunidade esportiva também se fez presente, como o grupo Bahia Antifascista que exibiu uma bandeira com a imagem do Mestre Moa, que foi assassinado em 2018 por um eleitor de Bolsonaro durante uma discussão política. 

bahia antifaFoto: Iago Augusto

O coletivo Brigada Marighella, do Vitória, apontou a importância da manifestação dos clubes esportivos para o combate de todos os tipos de preconceito.

"A força de mobilização do futebol pode ser usada também para determinadas questões como o racismo, homofobia, machismo e também para mudar esse caráter elitista de alguns esportes -como o futebol - e transformá-los em atividades populares, como são as arquibancadas e a gestão dos clubes", disse um membro do coletivo rubronegro, que não quis se identificar.

O ato terminou em frente à Praça Tomé de Souza, local onde está instalada a Prefeitura de Salvador, sob o som do grupo Voz dos Tambores e demais grupos musicais. Ainda não foi divulgada a estimativa de presentes no ato realizado nas cidades baianas.

Leia também: Ruas de Recife são tomadas por manifestantes que pedem Fora Bolsonaro

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg