COTIDIANO / Quinta, 27 Mai 2021 14:39

Mentiras sobre a vacina atrapalham imunização contra Covid-19 no Brasil

Mais de 5 milhões de pessoas não voltaram aos pontos de vacinação para tomar a segunda dose; infectologista explica como funciona a imunização e a importância das duas doses

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Fotos Públicas

Enfermeira prepara uma dose da vacina da Covid-19
Introdução:

Mais de 5 milhões de pessoas não voltaram aos pontos de vacinação para tomar a segunda dose; infectologista explica como funciona a imunização e a importância das duas doses

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Fotos Públicas

A campanha de imunização contra a Covid-19 tem perdido força no Brasil. Em abril, 1,5 milhão de pessoas não voltaram aos pontos de vacinação para tomar a segunda dose. Em maio, esse número saltou para 5 milhões, de acordo com informações do DataSUS, acervo de dados do Ministério da Saúde.

Cerca de 4,5 milhões de brasileiros não tomaram a segunda dose da Coronavac e 532 mil não tomaram a dose de reforço da AstraZeneca. Entre a primeira e a segunda dose da Coronavac, o intervalo é de 28 dias. No caso da AstraZeneca, o intervalo é de três meses. Em ambas vacinas é fundamental que a pessoa tome as duas doses.

 

A perda de força da campanha de imunização pode ser explicada por problemas como mentiras sobre a vacina. “A única forma de combater a Covid-19 é a vacina. As pessoas não podem se deixar levar por notícias falsas e mentiras de WhatsApp. A melhor forma de se informar é pelos sites oficiais dos órgão de saúde”, afirma a enfermeira Mônica Calazans, em entrevista à Alma Preta Jornalismo.

Mônica foi a primeira brasileira vacina contra o coronavírus no país. Ela tomou a primeira dose da Coronavac em 17 de janeiro e a segunda no dia 12 de fevereiro. “Desde que eu tomei as duas doses não aconteceu nada comigo. As pessoas devem acreditar na ciência”, salienta a profissional de saúde.

Informações falsas sobre a vacinação contra a Covid-19 circulam nas redes sociais desde o ano passado e aumentaram nos últimos meses. A própria enfermeira Mônica foi alvo de fake news. Mais de 300 perfis falsos  foram criados com o nome dela e circulou uma mentira de que ela teria morrido após ser vacinada.

As mentiras sobre a vacinação dizem também que os vacinados podem contrair doenças como HIV e câncer ou ter um chip implantado no corpo. Outras mensagens, com falso caráter científico, dizem que a vacina altera o DNA da pessoa e pode causar mutações. Também tem circulado a informação errada de que apenas uma dose da vacina seria suficiente.

Leia também: Brasil deve chegar a 500 mil mortos pela Covid-19 em junho

Infectologista desmente fake news

A infectologista Gladys Prado, do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês, destaca que alguns países optaram por vacinar mais pessoas com a primeira dose e postergar a segunda na esperança de que apenas uma dose já promovesse proteção. Embora alguns imunizades apresentem boa taxa de imunidade na primeira dose, a segunda é fundamental para garantir a proteção.

“De fato, parece que as vacinas da Pfizer e da Oxford têm algum efeito após a primeira dose, mas não é, de forma alguma, o suficiente para nos proteger. É fundamental receber a segunda dose”, pondera a também professora universitária e membro do programa de agentes populares de saúde da Uniafro.

Segundo a infectologista, a vacina não tem nenhum dos efeitos negativos sugeridos pelas fake news. “A célula contaminada tem suas funções modificadas e passa a produzir o vírus em vez de cumprir suas tarefas. Entre as vacinas disponíveis, a da Pfizer e da Oxford fazem com que algumas das nossas células se comportam como se estivessem invadidas pelo próprio vírus e passam a produzir partes do vírus. Essas partes, são reconhecidas pelo nosso corpo que produz os anticorpos e matam essas células”, explica.

A vacina é, sobretudo, uma forma de preparar o corpo humano para enfrentar o vírus, que até então era desconhecido para o organismo. “Com a doença, tudo isso acontece de forma descontrolada e com risco de morte. Com a vacina, acontece de forma muito leve e não é capaz de causar a doença. É uma forma de 'ensinar' nosso corpo a reagir de forma rápida e eficiente quando o vírus tentar nos invadir”, conclui a infectologista.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS