COTIDIANO / Segunda, 03 Janeiro 2022 17:52

Meninas negras têm um pior acesso a saúde sexual e reprodutiva, indica pesquisa

Conduzido pela professora da UFBA, Dandara Ramos, o estudo mostra que o acesso aos exames variam em cerca de 14% entre adolescentes brancas e negras

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Nataly Simões | Imagem: Arquivo pessoal

professora Dandara de Oliveira Ramos, do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Introdução:

Conduzido pela professora da UFBA, Dandara Ramos, o estudo mostra que o acesso aos exames variam em cerca de 14% entre adolescentes brancas e negras

Autor:

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Nataly Simões | Imagem: Arquivo pessoal

A cor da pele interfere não apenas no acesso ao exame pré-natal como também no tipo de parto realizado pelos médicos. É o que indica uma pesquisa realizada pela psicóloga Dandara de Oliveira Ramos, doutora em Saúde Coletiva e professora adjunta do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

De acordo com os dados preliminares do estudo, 64% das meninas brancas têm acesso adequado ao exame pré-natal, esse índice cai para 50% entre as meninas negras e 30% para as indígenas.

Divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo, a pesquisa de gravidez e maternidade na adolescência, que está em andamento, tem como principal desafio olhar a desigualdade racial no acesso à saúde. Segundo a professora, entre 2008 e 2019, há uma tendência de queda no número de bebês de meninas brancas e asiáticas, de 16%, em 2008, para 9% em 2019. Enquanto para as meninas negras há uma redução de apenas 3% e, para as indígenas, não há redução, mas aumento. 

A pesquisa mostra que 64% das meninas brancas adolescentes têm acesso ao pré-natal; para as meninas pretas esse índice cai para 50% e, para as indígenas, 30%. “Além disso, há uma indicação excessiva de cesárias sem necessidade, refletindo também nas diferentes raças”, disse a professora à Folha. 

O estudo expõe o impacto de políticas públicas em indicadores como gravidez precoce e violência, sem contar as meninas que ficaram grávidas e fizeram um aborto. Pode-se dizer que há uma relação direta entre violência sexual nessa faixa etária com a maternidade.

“Em relação à saúde infantil, um dos nossos objetivos é estudar os desfechos do nascimento, mas por enquanto estamos avaliando a incidência da maternidade em si”, explicou a professora. 

Para dar um exemplo de desigualdade no atendimento à saúde sexual e reprodutiva sofrida pelas pessoas pretas, Dandara contou que, quando nasceu, sua mãe estava em trabalho de parto, porém os médicos não quiseram atender dizendo que “com uma cintura dessas, um quadril desse tamanho, [ela] consegue fazer parto vaginal”.

“O preconceito, essa crença que a mulher negra suporta mais dor, está muito arraigado na história da ginecologia, quando mulheres negras eram usadas como cobaias”, afirmou. 

Ainda segundo a doutora, a pandemia da Covid-19 escancarou novos desafios referentes aos dados de desigualdades. Os indicadores de maternidade e mortalidade infantil apontam que o risco de morte na infância é três a quatro vezes maior para as crianças negras em relação às brancas, e isso mesmo quando se ajusta as métricas para indicadores socioeconômicos.

Leia também: Programa de redução de danos prestou 28 mil atendimentos em Salvador durante 2021

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg