COTIDIANO / Terça, 09 Março 2021 17:11

Marca de cosméticos é obrigada a excluir vídeo das redes sociais por racismo e abuso de vulnerabilidade infantil

A empresa Ark Line publicou um conteúdo que mostrava crianças e adolescentes de cabelos crespos passando por transformações para ter 'cabelo liso em cinco dias'

Texto: Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução

vídeo
Introdução:

A empresa Ark Line publicou um conteúdo que mostrava crianças e adolescentes de cabelos crespos passando por transformações para ter 'cabelo liso em cinco dias'

Texto: Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução

O Tribunal de Justiça de São Paulo obrigou a marca Ark Line a retirar do ar um vídeo sob a acusação de racismo e abuso de vulnerabilidade infantil. O Ministério Público de São Paulo  (MP-SP) abriu uma ação civil para que o vídeo fosse retirado das redes sociais por utilizar crianças e adolescentes negros e com cabelos crespos para indicar o cabelo alisado como padrão de beleza estética. O produto oferecido era uma escova progressiva, que alisava os cabelos dos modelos.

Segundo a liminar, o conteúdo publicado nas redes sociais da marca era "de cunho racista nos processos de alisamento de cabelos de meninas e adolescentes", utilizava palavras de "desprezo a beleza negra e a superioridade do padrão estético da mulher branca", além de expor jovens e crianças sem autorização judicial da Vara da Infância e da Juventude do território.

Além da questão racial e de discriminação ao cabelo crespo presentes no vídeo, a Justiça compreendeu e julgou o impacto do consumo de propagandas desse tipo. Segundo o texto da Concessão de Tutela, "a conformação estética das crianças e adolescentes deve ser espontânea, esclarecida e livre de qualquer pressão externa da coletividade ou de algum modelo padronizado imposto", como foi feito no vídeo produzido e compartilhado pela marca.

Amparado pela Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Código de Defesa do Consumidor, o Tribunal de Justiça de São Paulo solicitou em forma de liminar a proibição da veiculação de conteúdo semelhante nas redes sociais da página, atento aos endereços virtuais indicados na petição inicial do processo.

A agência Alma Preta buscou contato com a Ark Line para saber o posicionamento da marca sobre o ocorrido e a decisão judicial. Até a publicação deste texto, a empresa não respondeu. Caso a marca se posicione, a matéria será atualizada.

Leia também:

Conselho de propaganda condena Bombril em caso de racismo por nome de produto

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

memorialdasbaianas.jpg
izabelasantos02.jpg
racismoambientaltv01.jpg
iluoba.jpg