COTIDIANO / Quinta, 05 Agosto 2021 17:04

Família de jovem morto pela polícia reivindica justiça após 1 ano de impunidade

Mesmo debaixo de chuva, um protesto organizado por familiares foi realizado em frente ao Fórum de Jaboatão dos Guararapes; Jhonny foi atingido na nuca por um PM de Pernambuco

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagem: Lucas Medeiros 

 

Justiça Para Jhonny: familiares realizam ato no dia em que se completa um ano do falecimento do jovem
Introdução:

Mesmo debaixo de chuva, um protesto organizado por familiares foi realizado em frente ao Fórum de Jaboatão dos Guararapes; Jhonny foi atingido na nuca por um PM de Pernambuco

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagem: Lucas Medeiros 

 

A morte de Jhonny Lucindo completa 1 ano de impunidade. Para familiares do jovem pernambucano sua partida tem sido sinônimo de dor e de frustração com a Justiça. Aos 17 anos, ele foi assassinado com um tiro na cabeça no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife. Para a polícia, o disparo foi dado sob a justificativa de que Jhonny “parecia estar armado”. Para marcar a data da morte, familiares organizaram um ato em frente ao Fórum Desembargador Henrique Capitulino, na manhã desta quinta-feira (5). 

Mesmo debaixo de chuva, parentes e amigos foram ao órgão para cobrar justiça, que não prendeu o acusado do disparo, um agente que, atualmente, encontra-se em liberdade e com direito à aposentadoria. De acordo com os familiares, o funcionário da corporação teria pedido o fim do período de suas atividades dias antes de efetuar o disparo contra o garoto. 

A mãe ainda pontuou, durante o ato, à mídia, que desde o ocorrido não recebeu qualquer tipo de assistência por parte do Governo de Pernambuco e segue sem respostas sobre o que vai ser feito em resposta à vida do seu filho que foi levada. Junto aos parentes, a mãe transformou seu luto em luta e, com camisas brancas estampadas com a foto do jovem, pediu que a justiça agisse coerentemente e com celeridade. 

Leia também: Belford Roxo: ossada encontrada não pertence às crianças desaparecidas

Para a advogada do caso, Isabella Lima, o tempo de duração para apresentação do réu e os desdobramentos do caso perante à justiça fazem parte de um processo lento, comum aos casos criminais. “Mesmo sendo decretada a citação desde maio, para que o policial responda a acusação e que um processo esteja rolando na corregedoria sobre como se deu todo o ato durante expediente de trabalho, o caso anda a passos lentos. Enquando isso, a família segue receosa que o caso demore ainda mais e que o agente saia impune”, pontua, em conversa com a Alma Preta Jornalismo

O processo, mesmo após um ano, ainda se encontra na fase inicial, de acordo com a advogada. Segundo ela, para a família, a justiça será feita com a punição da perca da farda, ou expulsão da coorporação policial e, por consequência, a retirada do direito à aposentadoria. Um novo ato ainda não tem data para ser realizado. 

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg