COTIDIANO / Terça, 10 Agosto 2021 19:24

Juiz determina soltura de ativistas presos no caso Borba Gato

Paulo Lima (Galo), Danilo Oliveira e Thiago Zem foram presos preventivamente e vão aguardar o julgamento em liberdade

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução/Twitter

Faixa pede liberdade para Galo em SP
Introdução:

Paulo Lima (Galo), Danilo Oliveira e Thiago Zem foram presos preventivamente e vão aguardar o julgamento em liberdade

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução/Twitter

O juiz Eduardo Pereira Santos Júnior, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), determinou a soltura dos ativistas Paulo Lima, o Galo, Danilo Oliveira, o Biu, e do motorista Thiago Zem. Os três foram presos preventivamente por conta da investigação policial acerca do protesto contra a estátua em homenagem ao bandeirante e escravocrata Manuel Borba Gato, em Santo Amaro, na Zona Sul, no dia 24 de julho.

Na decisão, o juiz Santos Junior destacou que não havia necessidade de manter os ativistas presos de forma preventiva. “Os réus são todos primários e desprovidos de antecedentes criminais. Logo, mesmo se condenados nos termos da denúncia, fariam jus ao cumprimento de penas sem a necessidade de encarceramento”, escreveu o juiz.

Ainda segundo o juiz, a prisão deles foi descaracterizada do seu propósito legal. “[a prisão] seria, no caso, nada mais do que um amargo remédio a valorizar o apelo midiático que a extravagância do caso encerra”, pontuou.

Desde a prisão, os advogados dos ativistas criticaram a forma como o caso foi conduzido pelas autoridades policiais e pela Justiça. “Foi uma prisão política”, disse o advogado André Lozano.

Agora os ativistas vão aguardar o julgamento em liberdade. Danilo e Paulo Galo são acusados de incêndio, dano, associação criminosa e adulteração de veículo, pois foi feita uma descaracterização da placa do caminhão alugado para transportar os pneus que foram usados para incendiar a estátua de cerca de 13 metros de altura e 20 toneladas.

Para colocar fogo na estátua, os ativistas usaram pneus que foram transportados no caminhão dirigido por Thiago Zem.

Galo e Biu assumiram a autoria do protesto e disseram que o objetivo era levantar um debate público sobre homenagens a figuras vinculadas ao genóciodio de povos indígenas e da população negra.

Géssica Barbosa, companheira de Galo, também foi presa porque o celular dela, segundo a investigação da polícia, foi usado para organizar o protesto. Mas ela nem estava presente no dia em que a estátua foi incendiada. A acusação contra ela foi arquivada pelo juiz Santos Júnior.

Biu deve ser solto ainda nesta terça-feira (10), pois está preso no 101º DP, no jardim Imbuias, Zona Sul da capital. Galo e Thiago, presos no CDP (Centro de Detenção Provisória) do Belém, Zona Leste, devem ser solto amanhã, de acordo com o advogado Lozano.

Leia também: Fogo na estátua de Borba Gato reacende debate sobre manutenção de monumentos racistas

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg