Jovens organizam ações de combate à fome e resgate da cultura em periferia carioca

Na Zona Norte do Rio de Janeiro, comunidade tem organizado ações para minimizar os impactos da Covid-19 para a população através da arrecadação de alimentos, livros e kits de higiene

Texto: Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução/Instagram

Jovens organizam ações de combate à fome e resgate da cultura em periferia carioca
Introdução:

Na Zona Norte do Rio de Janeiro, comunidade tem organizado ações para minimizar os impactos da Covid-19 para a população através da arrecadação de alimentos, livros e kits de higiene

Texto: Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução/Instagram

A Frente Cavalcanti é formada por jovens moradores da periferia de Cavalcanti, localizada na Zona Norte do Rio de Janeiro, e atua para fortalecer os moradores nos eixos cultural, artístico e educacional. Além do suporte para combater os efeitos mais drásticos da Covid-19 na região, com arrecadação de alimentos e kits de higiene para os moradores, o objetivo inicial era fortalecer e resgatar a história da periferia.

O coletivo organizou festas importantes da cultura afro-brasileira, como a celebração do dia de Cosme e Damião, no final de 2020. “Nós seguimos todos os protocolos e conseguimos arrecadar doces e outros itens para distribuir entre as crianças, resgatando também o diálogo sobre intolerância religiosa”, explica Suelen Souza, co-fundadora do projeto.

livros cavalcantiFoto: Reprodução/Instagram

“Para incentivar a leitura, que a gente sabe que não é tão acessível para quem mora na periferia, o coletivo organizou ações de distribuição de livros”, relembra Suelen, pontuando que os próprios integrantes do coletivo tiveram contato tardio com a literatura.  

“Os livros foram destinados também para as crianças que estavam afastadas das atividades escolares e não tinham outras atividades recreativas em casa”, complementa.

Ampliação das atividades e aumento de casos de Covid-19

Com a piora dos casos de Covid-19 em todo o país, os moradores da comunidade entraram para as estatísticas do aumento de insegurança alimentar e do desemprego.  “A frente é um diferencial porque nós conhecemos as demandas do bairro e também as possibilidades para realizar as ações”, argumenta a voluntária e moradora do bairro, Ana Ventura, que atua na organização das arrecadações de alimentos e equipamentos de proteção individual.

O contato com os moradores da periferia, que precisam de auxílio, é feito principalmente por meio das redes sociais, embora algumas ações de distribuição de alimentos precisam ser feitas presencialmente. “O uso das redes sociais é um ponto fundamental para criar conexões com outras frentes e ter contato para receber doações e arrecadações”, pondera Suelen. 

distribuição cavalcantiFoto: Reprodução/Instagram

Além dos impactos positivos às pessoas beneficiadas, o trabalho do coletivo impacta também os voluntários. Para Leandro Ferreira, que nasceu e cresceu na comunidade, ter que lidar com os números alarmantes e a morte de muitas pessoas próximas é doloroso. “Eu pude auxiliar de alguma forma mesmo sem recursos para ajudar. Essa experiência mudou minha perspectiva de luta”, conclui o morador.

Apoie jornalismo preto e livre!

O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos  equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

Acesse aqui nosso Catarse

Image

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS