COTIDIANO / Segunda, 20 Dezembro 2021 12:09

Jovens e negros são maioria entre internados por violência armada no SUS

Estudo do Instituto Sou da PAZ também revela que, além de mais vitimada por armas de fogo, a população negra conta com um sistema de saúde mais deficitário

Texto: Redação I Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Imagem mostra armas de fogo descartadas empilhadas no chão
Introdução:

Estudo do Instituto Sou da PAZ também revela que, além de mais vitimada por armas de fogo, a população negra conta com um sistema de saúde mais deficitário

Autor:

Texto: Redação I Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O Brasil perdeu em média mais de 40 mil pessoas por ano vítimas de arma de fogo, instrumento usado em 78% dos homicídios no país, ao longo da década 2010-2019. Para além das vidas perdidas - a maioria jovens negros - a violência armada impacta na saúde pública e custa milhões aos cofres públicos: em 2020, foram registradas no país 17,2 mil internações decorrentes de lesões provocadas por arma de fogo que totalizaram um custo de R$ 37,8 milhões ao Sistema Único de Saúde. (SUS)

As agressões são a principal causa dessas lesões, seguidas pelos acidentes com arma de fogo. Os dados fazem parte do estudo do Instituto Sou da Paz, intitulado “Custos da violência armada: Estimação e análise dos gastos com vítimas de arma de fogo atendidas na rede hospitalar do SUS”. 

Só em 2020, 57% dos pacientes internados por violência armada no SUS eram jovens (entre 15 a 29 anos), 91% eram homens e 56% eram pessoas negras. De acordo com a pesquisa, homens ficam mais tempo internados, com custos e taxa de mortalidade maiores, o que possivelmente indica a maior gravidade das lesões por violência armada que vitimam homens em comparação com mulheres.

As vítimas negras são 56% dos internados, porém, como no conjunto de óbitos provocados por arma de fogo essa proporção chega a 76%, deduz-se que a participação da população negra nas internações está bastante subestimada, considerando ainda que falta informação sobre raça/cor em 1/4 dos registros hospitalares.

O relatório também revela que, além de mais vitimada por armas de fogo, a população negra conta com um sistema de saúde mais deficitário: o custo médio da internação por violência armada é menor entre vítimas negras em comparação às não negras, assim como a disponibilidade de profissionais da saúde é menor nos estados com maior proporção de população negra, o que sinaliza para uma sobreposição de vulnerabilidades. 

“O estudo identifica a desigualdade racial entre as vítimas de violência armada internadas na rede hospitalar, sinalizando mais uma vez para a urgência de reconhecer e enfrentar o racismo estrutural que tem entre seus efeitos a acentuada vitimização da população negra por violência”, comenta Carolina Ricardo, diretora-executiva do Instituto Sou da Paz, à imprensa.

Leia também: Dados oficiais de mortes por Covid-19 nos presídios são falhos, diz monitoramento

Custos de internações

O estudo ainda revela que entre os anos 2009-2017 o custo das internações relacionadas à violência armada ultrapassou R$ 50 milhões por ano, observando-se uma redução dos valores nos anos recentes (a partir de 2018) alinhada à redução geral de mortes violentas no país.

No entanto, o custo das internações hospitalares é apenas uma parte do ônus da saúde no atendimento de vítimas de violência armada, já que há custos bancados com recursos próprios dos estados e municípios.

Carolina Ricardo finaliza que é preciso analisar o impacto que a disponibilidade de armas de fogo traz ao país no atual contexto de flexibilização. “A arma de fogo é instrumento reconhecido como fator de risco à violência inclusive pela área da saúde e que resulta em agravos evitáveis que consomem recursos que poderiam ser destinados a outras demandas". 

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg