COTIDIANO / Quinta, 27 Mai 2021 12:12

Jovem quilombola é morto a pauladas no interior da Bahia

A vítima, identificada como Pedro Henrique, foi encontrada desacordada às margens do rio que cerca o Quilombo Rio dos Macacos; em nota, a associação de moradores locais denunciam atraso no socorro do jovem e e exigem políticas públicas para a melhorar o acesso à região

Texto: Victor Lacerda / Edição: Lenne Ferreira / Imagem: Reprodução/Quilombo Rio dos Macacos 

Jovem quilombola é morto a pauladas no interior da Bahia
Introdução:

A vítima, identificada como Pedro Henrique, foi encontrada desacordada às margens do rio que cerca o Quilombo Rio dos Macacos; em nota, a associação de moradores locais denunciam atraso no socorro do jovem e e exigem políticas públicas para a melhorar o acesso à região

Texto: Victor Lacerda / Edição: Lenne Ferreira / Imagem: Reprodução/Quilombo Rio dos Macacos 

Um jovem quilombola foi morto no Quilombo Rio dos Macacos, no município de Simões Filho, na Bahia, na noite da última terça-feira (25). Identificado como Pedro Henrique, a vítima foi encontrada desacordada com marcas de espancamento por volta da meia-noite às margens do rio pertencente à região. Moradores locais denunciam descaso no atendimento dos órgãos de serviço público no local, como o atraso da chegada da Polícia Militar, que só compareceu na manhã do dia seguinte.

Na última quarta-feira (26), a Associação dos Remanescentes do Quilombo Rio dos Macacos emitiu uma nota para lamentar e denunciar o ocorrido. Em texto, a organização afirma que a Polícia Militar esteve no local por duas vezes, ainda na madrugada, mas se recusou a entrar e ainda ofendeu os quilombolas que buscavam colaborar.

Já o atendimento feito pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) condicionou a chegada ao local apenas com a presença da PM. Entre os fatores usados como justificativa, estão a falta de visibilidade e a dificuldade de acesso ao território.

“O quilombo não tem acesso a iluminação pública e o direito de ir e vir, garantido constitucionalmente, é comprometido, tendo em vista que o acesso ao território se dá exclusivamente por uma estrada de chão batido monitorada e controlada pela Marinha. É urgente que os órgãos do Estado e Sistema de Justiça, assim como as demais instituições de proteção dos Direitos Humanos, garantam o acesso às políticas públicas, à segurança e aos direitos básicos da Comunidade”, aponta a Associação. 

Leia também: Comunidades quilombolas travam luta contra desapropriação no Piauí

Com mais de 200 anos de registro histórico, o Quilombo Rio dos Macacos só conseguiu a titulação de território no ano passado. Representantes locais acreditam que as condições atuais que a comunidade vive inviabilizam atividades básicas no cotidiano. Entre as causas, está a falta de  manutenção para melhores condições da própria terra, um dos sinais do abandono do poder público denunciado.

O caso de violência contra a população tradicional não é o primeiro. De acordo com a associação, nos últimos anos foram registrados episódios de homicídio, violência física, sexual, psicológica, patrimonial e moral. Antes do falecimento de Pedro Henrique, em novembro de 2019, José Izidio Dias, conhecido como ‘seu Vermelho’, foi assassinado brutalmente, aos 89 anos, dentro de sua casa no quilombo e o caso também foi negligenciado pelas autoridades locais. 

“Enquanto houver omissão institucional no cumprimento dos deveres públicos, todas as instituições são responsáveis por cada quilombola que tomba frente à resistência secular de nosso povo”, finaliza a associação. 

Uma nota de repúdio à falta de auxílio e políticas públicas dedicadas à vida e sobrevivência dos povos quilombolas da região também está sendo escrita por membros da União de Negros pela Igualdade (UNEGRO) da Bahia e outras entidades que lutam pela causa racial. Ativistas e movimentos reivindicam nas redes sociais a apuração e responsabilização do jovem Pedro Henrique.

Leia também: Quilombo vivo: Memórias de luta na Serra da Barriga

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg