COTIDIANO / Quarta, 17 Agosto 2022 17:31

Invasão e agressões: moradores relatam violência policial na Brasilândia

Secretaria de Segurança Pública omitiu informações sobre prisões ou vítimas da operação policial do dia 9 de agosto, terça-feira

Texto: Pedro Borges I Edição: Nadine NascimentoI Imagem: Reprodução

Introdução:

Secretaria de Segurança Pública omitiu informações sobre prisões ou vítimas da operação policial do dia 9 de agosto, terça-feira

Autor:

Texto: Pedro Borges I Edição: Nadine NascimentoI Imagem: Reprodução

Moradores da Brasilândia da região do Jardim Paraná e Jardim Vista Alegre denunciaram violações de direitos por parte da polícia militar e civil por conta da operação policial do dia 9 de agosto, terça-feira.

O relato dos moradores da região aponta para a invasão de casas por parte dos agentes de segurança pública sem apresentação de mandados, agressão a moradores, e o impedimento de ir e vir dos cidadãos do bairro durante a ação da polícia.

Os moradores também demonstraram medo para detalhar os acontecimentos. A maioria preferiu não relatar os ocorridos. Aqueles que aceitaram conversar, falaram em condição de anonimato e afirmaram existir um receio por parte da comunidade de criticar a atuação policial em decorrência de possíveis represálias.

A Rota, Rondas Ostensivas Tobias Aguiar, e a Polícia Civil mobilizaram cerca de 25 viaturas e dois helicópteros. Questionada sobre a prisão de pessoas e mesmo a existência de vítimas fatais, a Secretaria de Segurança Pública, depois de apurar informações junto a polícia civil e a polícia militar, não apresentou qualquer informação.

Co-vereadora na cidade de São Paulo, Paula Nunes pede uma maior investigação sobre os possíveis abusos durante a ação policial e repudia a política de segurança pública adotada no estado de São Paulo.

"Em pleno período eleitoral, a política de segurança pública implementada por décadas de gestão do PSDB aparece como um panfleto. Essas megaoperações nas periferias da cidade, disfarçadas de combate ao crime, servem como forma de aterrorizar comunidades inteiras que já sofrem com a fome e a falta de garantias de direitos sociais básicos".

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a investida faz parte da Operação Sufoco, que tem o objetivo de "coibir principalmente crimes patrimoniais, como roubos e furtos". A pasta também afirma que as ações são focadas nas "áreas de maior incidência criminal".

As imagens mostram pessoas presas e uma grande quantidade de agentes de segurança no bairro. As gravações mostram ruas fechadas pelos policiais, com pessoas paradas e abordadas pelos agentes de segurança. Os carros da polícia cercaram ruas e a entrada de escolas e aparelhos de cultura do bairro.

No dia 15 de agosto, segunda-feira, a equipe da Alma Preta questionou a Secretaria de Segurança Pública sobre as possíveis violações de direito na Brasilândia. A pasta avisou apurar as informações com a Polícia Militar e Civil, mas não apresentou um retorno até a publicação da reportagem.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg