COTIDIANO / Quinta, 07 Outubro 2021 11:49

Iniciativa inédita de enfrentamento ao racismo no Ministério Público completa um ano

As reuniões são mensais e a proposta é criar diálogos com a sociedade; ideia saiu do grupo que criou o programa de cotas raciais no MP-SP

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: MP-SP

MP-SP tem rede de enfrentamento ao racismo
Introdução:

As reuniões são mensais e a proposta é criar diálogos com a sociedade; ideia saiu do grupo que criou o programa de cotas raciais no MP-SP

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: MP-SP

A Rede de Enfrentamento ao Racismo do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) completou um ano de atividade no último mês. A semente da estruturação deste espaço de diálogo e participação de outros atores da sociedade pela luta antirracista surgiu em um grupo de trabalho que existiu no MP-SP entre 2014 e 2016, que também deu origem a criação de cotas raciais nos concursos para vagas de servidores e estagiários.

A primeira reunião da iniciativa, que é inédita no país, aconteceu em novembro de 2020 e a portaria de criação da Rede foi publicada dois meses antes, em setembro. “A rede se propõe a refletir sobre o racismo e todas as suas facetas de uma perspectiva interinstitucional e externa. Vivemos em uma sociedade racista. O MP não é diferente dessa sociedade e, portanto, precisa refletir sobre isso e participar ativamente da luta antirracista”, disse a promotora Cristiane Corrêa de Souza Hillal, secretária da Rede de Enfrentamento ao Racismo do MP-SP. A rede é formada por procuradores, promotores e servidores do MP-SP.

Internamente, a rede tem atuado para promover atividades de formação antirracista para seus integrantes. Cristiane afirma que, mesmo com a adoção de ações afirmativas e cotas, o MP-SP é uma instituição majoritariamente branca. “Quanto mais altos os postos, mais brancos. Precisamos mudar essa realidade”, disse.

As reuniões da rede são mensais e, em novembro, será lançado um livro virtual chamado 'MP antirracista: a travessia necessária', com convidados do movimento negro - como o Instituto da Mulher Negra Geledés -, professores universitários, especialistas na temática racial e membros do MP-SP.

"A existência da Rede e o seu fortalecimento faz com que o enfrentamento ao racismo esteja sempre sendo debatido e aprimorado na atuação dos integrantes do Ministério Público. O tema tem que estar em nossa mesa, não pode ser invisibilizado. E o diálogo com a sociedade é essencial, nos faz conhecer melhor as dimensões do racismo e criar estratégias mais eficientes para combatê-lo." Sirleni Fernandes da Silva, promotora de Justiça e integrante da Rede de Enfrentamento ao Racismo.

A Rede é dividida em sete frentes, entre elas se destacam as de educação antirracista, das ações afirmativas e a do sistema de justiça e questões penais. Para cada frente são elaboradas metas e ações. Até o momento, foram publicados 11 documentos e relatórios sobre a temática racial na página da rede. Este conteúdo foi produzido por entidades e organizações engajados na luta antirracista.

As reuniões de articulação da rede de enfrentamento ao racismo, promovida pelo MP-SP, acontecem sempre na última quinta-feira de cada mês, com a contribuição de convidados da sociedade civil organizada. No último encontro, agora no final de setembro, além dos detalhes sobre o lançamento do livro virtual, foi discutido o tema: 'Necropolítica, violência policial e encarceramento em massa', com a advogada e mestra em Ciências Humanas e Sociais Thayná Yaredy.

O grupo também vai avançar no diálogo sobre um projeto com foco na juventude negra periférica chamado 'MP na Periferia'.

Leia mais: Mais de 1 mil pessoas foram resgatadas de trabalho escravo no Brasil em 2021

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg