COTIDIANO / Terça, 10 Agosto 2021 10:57

“Os negros precisam conhecer sua história e seus direitos”, diz secretária de promoção racial

 Na cidade de  São Paulo, que possui a maior concentração de pessoas negras do país, existem oito centros de promoção de igualdade racial; Elisa Rodrigues defende a valorização da história dos negros para combater o negacionismo

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Everton Clarindo / SMDHC

Elisa Rodrigues, 67 anos, secretaria da promoção de igualdade para negros em São Paulo
Introdução:

 Na cidade de  São Paulo, que possui a maior concentração de pessoas negras do país, existem oito centros de promoção de igualdade racial; Elisa Rodrigues defende a valorização da história dos negros para combater o negacionismo

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Everton Clarindo / SMDHC

A educadora Elisa Lucas Rodrigues, de 67 anos, foi presidente do Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado de São Paulo e, atualmente, é secretária-executiva adjunta de Promoção da Igualdade Racial na capital. Ela é responsável pela organização das políticas afirmativas, pautas antirracistas e combate ao racismo na cidade.

“A criança negra, o menino negro e a menina negra, tem que saber que o racismo existe. É triste encontrar a população negra no negacionismo; e não é o da vacinação, não. É aquele que nega que exista o preconceito, diz que somos todos iguais. Não existe isso, nós, negros, somos tratados de modo diferente, existe o racismo e o preconceito. Tudo começa, na minha opinião, pela alfabetização, pelo ensino da nossa história e pelo ensino dos nossos direitos”, afirma Elisa.

Em São Paulo, 37% dos cerca de 12 milhões de moradores se autodeclaram negros. Atualmente, existem oito centros de referência da promoção da igualdade racial, que atendem todas as regiões. Segundo a secretária-executiva, a meta é ampliar os pontos de atendimento e divulgar mais os serviços.

“Os centros foram criados para atender as demandas de reclamação de discriminação e racismo da população negra, da população indígena e dos povos ciganos; e contam com advogados, psicólogos e assistentes sociais. Antigamente, a gente via um caso de discriminação e o foco era a questão jurídica, o processo judicial. Com a nossa experiência na CPIR ( Coordenação de Promoção da Igualdade Racial), notamos que a primeira coisa que a pessoa que sofre discriminação precisa é de acolhimento. Alguém que a ouça. Pode ser a assistente social, que depois encaminha para a psicóloga. Muita gente chega aqui e chora, chora muito, e depois diz ‘que bom que vocês me ouviram’”, pontua a secretária.

A prefeitura de São Paulo também tem o desafio de enfrentar o racismo e a discriminação dentro da própria estrutura organizacional do município. Um exemplo disso é a imprecisão nos dados sobre o total de funcionários negros e suas presenças em cargos de comando e chefia. Isso cria dificuldades para a elaboração de políticas afirmativas no funcionalismo.

“Hoje, na administração direta da prefeitura, temos 28,6% de pessoas que se autodeclaram negras. Entre os comissionados são 24,2% de negros. Mas temos uma preocupação em relação aos dados porque nem todos fazem a autodeclaração. Vamos fazer uma campanha dentro da prefeitura para que o quesito raça/cor seja obrigatório. Além de melhorar a coleta de dados sobre o recorte racial no funcionalismo municipal, também estamos fazendo jornadas antirracistas nos departamentos de RH das secretarias e subprefeituras. Essa força-tarefa é importante para que a questão racial entre na pauta do dia-a-dia”, coloca Elisa.

Nas últimas eleições, uma das promessas do candidato Bruno Covas (PSDB) para a reeleição era ampliar o quadro de pessoas negras no primeiro escalão da administração. Na época, o prefeito reconheceu que tinha apenas uma mulher negra à frente de um órgão público, no caso a GCM (Guarda Civil Metropolitana). Após oito meses da posse, o cenário apresenta poucas mudanças.

“Aumentou, não na proporção que a gente gostaria. Temos a Ingrid, que é secretária-adjunta da Cultura. Tem alguns subprefeitos negros também. Temos alguns chefes e coordenadores negros em secretarias. Espero que sejam nomeadas mais pessoas negras”, diz a secretária.

Sobre as homenagens a figuras escravocratas e que participaram do genocídio da população negra e indígena, ela defende que sejam feitas consultas públicas para ouvir a opinião dos moradores da cidade, que sejam erguidas mais estátuas de pessoas negras e adiantou a instalação do memorial dos Aflitos, no bairro da Liberdade, para resgatar a história dos negros na cidade.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg