COTIDIANO / Quarta, 24 Novembro 2021 14:30

‘Grito da Pesca Artesanal’: cerca de 600 pescadores realizam ato em Brasília

Ato reúne trabalhadores de 15 estados que reivindicam o reconhecimento de seus direitos, a regulamentação dos territórios voltados para pesca e mudanças no processo de recadastramento 

Texto: Caranguejo Uçá e Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagens: Reprodução/Caranguejo Uçá

‘Grito da Pesca Artesanal’: cerca de 600 pescadores vão à Brasília em protesto
Introdução:

Ato reúne trabalhadores de 15 estados que reivindicam o reconhecimento de seus direitos, a regulamentação dos territórios voltados para pesca e mudanças no processo de recadastramento 

Texto: Caranguejo Uçá e Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagens: Reprodução/Caranguejo Uçá

Mobilizados pela luta por seus direitos, cerca de 600 pescadores - de 15 estados das regiões costeiras do país - ocupam a cidade de Brasília no ‘Grito da Pesca Artesanal’. Ato marca insatisfação da classe que afirma não ter retornos efetivos do governo federal sobre os seus direitos. A ação teve início na última segunda-feira (22) e segue até a sexta-feira (26). 

Entre as pautas levantadas pela classe está a necessidade de uma regulamentação dos territórios pesqueiros, o resguardo de direitos básicos enquanto trabalhadores da pesca, a soberania alimentar e a falta de acesso à informação e estrutura para o processo de recadastramento enquanto trabalhadores regulamentados junto à nação. 

“Nós viemos dizer não ao comércio que o governo está fazendo com os direitos dos trabalhadores, repassando a sua responsabilidade à iniciativa privada”, denuncia o Educador social e membro da Pastoral dos Pescadores de Pernambuco, Severino Antônio, que está presente nas ações desta semana. Para o educador, a maior dificuldade enfrentada pela classe é a falta de inclusão na construção de políticas públicas que possibilitem um desenvolvimento da atividade da pesca e do resguardo de direitos destes trabalhadores.

Pautas compartilhadas pela Arlene Maria da Costa, pescadora e presidente da Colônia Z6 de Barra de Sirinhaém, no litoral sul de Pernambuco e que está presente presencialmente no ato. A ativista, em conversa concedida à a Alma Preta Jornalismo, conta que a classe está indignada com a quantidade de discriminação proferida pelo atual governo no sentido de proteção e desenvolvimento da atividade. 

“Pescador, hoje, não é importante para o ‘desgoverno’ que estamos vendo aí. Um exemplo disso é o modelo de recadastramento que impuseram a nós de cima para baixo, sem nenhum tipo de consulta às organizações e articulações de pescadores. Motivo de total indignação”, desabafa. 

Arlene ressalta que os pescadores não se posicionam contra o processo que impõe  aos pescadores a renovação da Licença de Pescador Profissional. O processo é feito  através do site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que solicita prova de vida e reconhecimento facial a cada três meses, demandas que para a classe, não são cabíveis pelas estruturas atuais nos territórios voltados à esta atividade.

Leia também: Pescadores e quilombolas reivindicam Reserva Extrativista no Litoral Sul de Pernambuco

“É um processo que gera constrangimento aos pescadores que, por vezes, não conseguem nem passar pela validação facial. Fora o próprio sistema que é de difícil acesso, imagine para aqueles territórios que não contam com internet, computador e impressora. Situação que os representantes políticos sabem, mas nos trazem retorno”, aponta. 

Para além da ativista, a classe, no geral, indica um cenário de perda gradativa de carteiras de licença profissional tendo em vista as possibilidades de acesso à informação e uma estrutura adequada, o que tem como consequência a retirada do mínimo de direitos conquistados pela classe durante os últimos anos. 

Outros impactos à classe são estudados em PE  

oie Ht5gd3kZVkCW

Seis mulheres pescadoras da comunidade da Ilha de Deus passaram por um momento de capacitação, para aplicar um questionário virtual (web-survey) no próprio território

Na Comunidade Tradicional Pesqueira Ilha de Deus, localizada na zona sul de Recife, dá início a uma das etapas da pesquisa sobre o impacto do derramamento de petróleo e da COVID-19 nas Comunidades Tradicionais Pesqueiras do litoral pernambucano.  

A pesquisa é uma realização do Departamento de Sociologia (UFPE) que irá investigar impactos sociais, econômicos, ambientais e na saúde dos trabalhadores e trabalhadoras da pesca que vivem em 16 municípios costeiros do estado.  

Através de uma parceria com a Ação Comunitária Caranguejo Uçá, na Ilha de Deus a pesquisa assumiu um formato de extensão, onde seis mulheres pescadoras da comunidade passaram por um momento de capacitação, para aplicar um questionário virtual (web-survey) no próprio território.

O resultado da ação pode ser acompanhado pela página da Caranguejo Uçá.

Leia também: Em Sergipe, comunidades tradicionais cobram políticas públicas pela vida

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg