COTIDIANO / Terça, 08 Junho 2021 20:10

Grávida do primeiro filho, modelo negra é mais uma vítima fatal da polícia brasileira

A jovem negra Kathlen Romeu, de 24 anos, estava grávida de 13 semanas e foi atingida por disparos de fuzil; “Mais uma família negra completamente dilacerada pela mão letal do Estado”, destacou deputada do Rio de Janeiro

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução

Kathlen apoia a mão na cabeça; a jovem negra estava grávida e foi morta durante operação policial
Introdução:

A jovem negra Kathlen Romeu, de 24 anos, estava grávida de 13 semanas e foi atingida por disparos de fuzil; “Mais uma família negra completamente dilacerada pela mão letal do Estado”, destacou deputada do Rio de Janeiro

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução

A morte da modelo e designer de interiores negra Kathlen Romeu, aos 24 anos e grávida do primeiro filho, durante mais uma operação policial indevida nesta terça-feira (8), provocou revolta nos moradores do Complexo do Lins, no Rio de Janeiro. Em protesto, a população bloqueou a estrada Grajaú-Jacarepaguá, na Zona Norte.

Kathlen estava grávida de 13 semanas e foi atingida por disparos de fuzil.  A jovem chegou a ser socorrida, porém morreu no hospital Salgado Filho, no Méier. A deputada estadual Renata Souza (PSOL) se manifestou, em sua conta no Instagram, sobre o ocorrido. “Mais uma família negra completamente dilacerada pela mão letal do Estado. Quantas vezes mais teremos de gritar que nossas vidas importam?”, endagou. 

 

A parlamentar ressaltou ainda que a operação da polícia, em plena pandemia da Covid-19, não deveria ter acontecido. “Este é o modelo de segurança pública que vê em corpos negros e favelados alvos, onde a ordem é sempre a de atirar primeiro e perguntar depois”, acrescentou Renata, que cresceu no Complexo da Maré, também na Zona Norte do Rio.

A morte de Kathlen aconteceu um mês depois da Chacina do Jacarezinho, que também contrariou a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de proibir operações policiais no Rio de Janeiro durante o período pandêmico.

A Polícia Militar do Rio de Janeiro afirmou que não houve operação e  sim um confronto após policiais da UPP Lins serem “atacados a tiros durante patrulhamento”. Ainda segundo a PM, “após cessarem os disparos, os agentes encontraram uma mulher ferida e a socorreram ao hospital”.

Kathlen não morava na comunidade há um mês e estava com a avó a caminho do trabalho da tia. Em entrevista a emissoras de TV, a avó disse que perdeu a neta e o bisneto em um “tiroteio bárbaro”. “Perdi a minha neta de um jeito estúpido. Ela estudava, trabalhava e era formada”, comentou a avó de Kathelen.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS