COTIDIANO / Segunda, 19 Julho 2021 16:08

"Fui tirada da casa como um lixo", diz idosa negra despejada de casa em Teresina

Familiares acusam empresa de vender imóvel mesmo com a quitação de dívidas; Demolição da casa causou mobilização de moradores

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Lenne Ferreira | Foto: Reprodução

Introdução:

Familiares acusam empresa de vender imóvel mesmo com a quitação de dívidas; Demolição da casa causou mobilização de moradores

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Lenne Ferreira | Foto: Reprodução

Há mais de 30 anos atrás, Maria das Dores da Silva Machado conquistava um sonho: ter a casa própria no bairro Dirceu I, na Zona Sudeste de Teresina, no Piauí, onde morava com o esposo e mais cinco filhos. No entanto, o sonho da moradora, de 60 anos, foi destruído na Justiça após enfrentar uma longa batalha para ter direito a um espaço que conquistou.

Tudo começou em 2008, quando Dona Maria, como é conhecida, foi convocada pela então Companhia de Habitação do Estado do Piauí (Coahb), atual Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), para fazer a quitação de pendências do imóvel que fazia parte dos conjuntos habitacionais da Cohab, da Agência de Desenvolvimento Habitacional (ADH). Na época, o débito custava R$ 2 mil, valor que, mesmo com dificuldades, foi parcelado em duas vezes e pago por Maria das Dores.

No entanto, foi no pagamento da segunda parcela, em 2009, que a moradora foi informada de que o imóvel havia sido vendido por leilão. Familiares alegam que ela não havia sido consultada nem informada sobre o processo e que, inclusive, todos os débitos haviam sido pagos antes dos prazos determinados pela atual Emgerpi.

Desde então, Dona Maria encara um processo para ter direito a casa, sendo que na última semana, ela foi despejada por forças policiais de Teresina e teve a casa demolida. A história da moradora causou mobilização entre os habitantes da localidade, que tem pedido justiça para que ela tenha a casa de volta.

Em um vídeo, divulgado pela líder da comunidade ribeirinha Boa Esperança, Maria Lúcia, a idosa relata a situação e diz: "Me tiraram com a polícia dentro da minha casa, tinha polícia do Rone [Ronda Noturna Especial]. Eu fui tirada de dentro da casa como uma cachorra, como um lixo".

Herbert, um dos filhos mais velhos da idosa, também gravou um vídeo em que mostra documentos que desmentem a versão da Emgerpi, de que o imóvel não estaria regular. Ele também afirma que a casa foi vendida a um procurador de nome Gerson Gomes Pereira.

Segundo a filha da moradora, Acassia Kelly da Silva Machado, Dona Maria tem passado por problemas de saúde e crises de ansiedade por causa da demolição da casa.

"Ela não dorme, não se alimenta, chora o dia todo [...] Agora estou procurando um psicólogo para ela porque ela tem passado mal".

Denúncias

À Alma Preta, a líder quilombola Maria Lúcia contou que a ações de despejo e venda de imóveis têm sido recorrentes na localidade, que, segundo ela, faz parte de uma especulação imobiliária.

Ela citou o caso de um morador da comunidade Boa Esperança, identificado como Seu Raimundo, de 70 anos, que teria passado pela mesma situação de Dona Maria. No entanto, o caso dele conseguiu ser revertido após a mobilização da comunidade.

Para a líder quilombola, a situação de Dona Maria tem sido dificultada por envolver figuras da esfera judicial.

"Eles se aproveitaram disso e fizeram essa costura com o processo não concluso", diz Maria Lúcia, que completou dizendo: "Quando eles não conseguem vender os nossos corpos, eles vendem nossas terras".

Versão da Emgerpi

A Alma Preta entrou em contato com a Emgerpi para buscar esclarecimentos sobre os motivos do imóvel ter ido a leilão mesmo com as parcelas da quitação pagas. No entanto, não obtivemos retorno até o fechamento da matéria. Também solicitamos um pedido de pronunciamento ao Ministério Público do Piauí e também aguardamos retorno.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg