COTIDIANO / Quarta, 16 Junho 2021 14:07

Estado não informa se PMs que mataram funcionário negro dos Correios foram afastados

Ademir Souza era um homem negro, de 49 anos, e estava com uniforme e crachá quando foi abordado e morto por policiais militares após sair do trabalho na última sexta-feira de maio, na Zona Leste de São Paulo

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Acervo Pessoal

Ademir, funcionário dos Correios que foi morto por PMs, em maio
Introdução:

Ademir Souza era um homem negro, de 49 anos, e estava com uniforme e crachá quando foi abordado e morto por policiais militares após sair do trabalho na última sexta-feira de maio, na Zona Leste de São Paulo

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Acervo Pessoal

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP) não informa se os policiais militares envolvidos na morte do funcionário dos Correios Ademir Santana de Souza, no fim de maio, foram afastados das atividades da corporação. A informação foi questionada pela Alma Preta Jornalismo, mas a pasta vinculada ao governo do estado não respondeu. A falta de esclarecimento também é apontada pelo diretor do sindicato dos trabalhadores da empresa, o Sintect-SP.

“A PM disse que tem todo o interesse de resolver o caso e agir com transparência nas investigações, porém não informa se os polícias foram ou não afastados e quais medidas serão tomadas”, afirma Douglas Melo, diretor do sindicato.

O trabalhador foi morto aos 49 anos, no dia 28 de maio, minutos após deixar o serviço, no Centro de Distribuição dos Correios na Mooca, bairro da Zona Leste da capital. Ademir usava uniforme e crachá no momento em que foi assassinado.

No dia 7 de junho a diretoria do sindicato da categoria e o ouvidor da polícias do Estado, Elizeu Lopes Soares, se reuniram com a cúpula da Polícia Militar para debater sobre as investigações da morte. “Cobramos que sejam apurados os fatos e que os culpados sejam punidos. O sindicato vai fazer de tudo para que seja feita Justiça. Estamos dando apoio jurídico à família e vamos acompanhar o caso até o fim”, explica Ricardo Adriane, outro diretor do Sintect-SP e secretário de Questão Racial da federação dos trabalhadores dos Correios.

O irmão do Ademir, Ailton de Souza, que também trabalha nos Correios, participou da reunião com os representantes do sindicato e contou aos participantes detalhes sobre a vida do irmão que trabalhava na empresa desde a década de 1990.

pmcasoademirReunião na sede da Polícia Militar com coronéis e sindicalistas dos Correios. | Foto: Ouvidoria das Polícias de São Paulo

A reunião do sindicato com a PM ocorreu após solicitação do ouvidor, que também exigiu o afastamento dos policiais militares que mataram o funcionário dos Correios. De acordo com a SSP, o trabalhador foi “flagrado com um objeto cortante na mão e não obedeceu à abordagem dos agentes, que intervieram”.

Na primeira versão, os PMs Carine de Castro Gonçalves, João Victor Matos dos Santos e Rodrigo Martins de Souza afirmaram que o objeto era uma faca, mas depois mudaram a versão e disseram que Ademir estava com uma tesoura.

No dia 28 de maio, logo depois das 23h, Ademir saiu do trabalho e foi em direção ao ponto de ônibus. Ele estava se recuperando da Covid-19 e ia para casa, no Parque Edu Chaves, na Zona Norte da cidade. Perto de uma passarela, ele foi abordado pelos policiais. A família e os colegas de trabalho de Ademir afirmam que ele não andava armado, tinha dificuldades para movimentos rápidos e, no trabalho dos Correios, atuava em uma função com restrição para carregar peso.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS