COTIDIANO / Sexta, 11 Junho 2021 22:49

Em vigília, movimento negro pede justiça por Kathlen e Gibinha, duas vítimas da polícia

Cartazes e discursos sobre o assassinato frequente de corpos negros pelo Estado e a necessidade de união e organização de luta pela agenda antirracista marcaram o ato na Avenida Paulista, nesta sexta-feira (11)

Texto e imagem: Juca Guimarães 

Manifestantes com velas acesas durante vigília por vítimas do genocídio negro
Introdução:

Cartazes e discursos sobre o assassinato frequente de corpos negros pelo Estado e a necessidade de união e organização de luta pela agenda antirracista marcaram o ato na Avenida Paulista, nesta sexta-feira (11)

Texto e imagem: Juca Guimarães 

A sensação é que as velas acesas não emitiam quase nenhum calor. A temperatura no totem público que marca a hora e a temperatura registrava 17ºC. Dezenas de pessoas participavam da vigília contra o genocídio do povo negro, em frente ao MASP (Museu de Arte de São Paulo), tradicional ponto de manifestações da capital paulista. O ato foi convocado pela Coalizão Negra por Direitos.

Cartazes e discursos sobre o assassinato frequente de corpos negros pelo Estado e a necessidade de união e organização de luta entre negros e brancos pela agenda antirracistas marcaram a vigília.

“A luta do povo negro contra o genocídio vem de muito longe. Lá atrás, quando surgiu o chamado esquadrão da morte, que aterrorizava a cidade, a primeira vítima foi um corpo negro”, disse Milton Barborsa, o Miltão, co-fundador do MNU (Movimento Negro Unificado).

As execuções de pessoas negras pelo esquadrão da morte, durante o período da Ditadura Militar, foram lembradas por conta dos assassinatos recentes da gestante negra Kethlen Romeu, de 24 anos, morta por um tiro de fuzil disparado pela Polícia Militar do Rio de Janeiro, na terça-feira (8); e do tatuador Gilberto de Lima, 30 anos, executado dia 15 de maio, na favela Felicidade, na Zona Sul de São Paulo, com seis tiros disparados por policiais civis.

“Meu irmão era um trabalhador, era começo da tarde e ele estava andando perto de casa. Foi morto pelo racismo do Estado. Foi morto como são mortos cada vez mais negros nesse país”, lembrou Jefferson Lima, irmão do tatuador que era conhecido como “Gibinha”.

Os cartazes exibidos por jovens que participavam da vigília diziam que não existe “caso isolado” quando se fala em morte nas mãos do Estado e nem “bala perdida” quando se trata de operação policial dentro de favelas. “As balas sempre encontram os corpos negros”, dizia um cartaz, enquanto o frio e o vento da noite paulistana insistia em apagar as velas deixadas na calçada pelos manifestantes.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg