COTIDIANO / Quinta, 18 Novembro 2021 15:50

Em decisão incomum, MP pede reabertura do caso Thiago Duarte

Jovem com deficiência intectual foi baleado quando ia no mercado comprar leite; policial militar Denis Augusto Amista Soares, responsável pelo disparo, terá de participar da reconstituição da cena

Texto: Pedro Borges | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Arquivo de família

Thiago Duarte
Introdução:

Jovem com deficiência intectual foi baleado quando ia no mercado comprar leite; policial militar Denis Augusto Amista Soares, responsável pelo disparo, terá de participar da reconstituição da cena

Texto: Pedro Borges | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Arquivo de família

O promotor de justiça, Romeu Júnior, pediu a reabertura de investigação sobre o caso da morte de Thiago Duarte de Souza, 20 anos. O jovem morreu no dia 21 de Abril, no Hospital Geral de São Mateus, depois de ser baleado na boca, no dia 8 de Abril, pelo policial militar Denis Augusto Amista Soares.

O documento enviado pelo Ministério Público pede a participação do policial militar na reconstituição da cena e a indicação, por parte do agente de segurança pública, do local onde estava durante o fato. Denis Augusto Amista Soares também relatou ter apreendido uma arma com Thiago Duarte e precisará indicar onde a encontrou, como diz o documento. A família do jovem nega o porte da arma.

O Ministério Público pediu ao Hospital Geral de São Mateus todo o prontuário do jovem, a inclusão de vídeos divulgados nas redes sociais - com Thiago Duarte sangrando na rua -, além do laudo de exame necroscópico do IML e a perícia do local e das armas apreendidas na ação.

Todos os documentos serão anexados ao inquérito policial, e depois serão enviados para o Ministério Público.

Marina Toth, advogada criminalista e colaboradora da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio, acompanha o caso e comemora a decisão. “É uma resposta incomum. Difícil ver isso acontecer para casos que não sejam muito midiáticos. Abre a possibilidade para uma investigação bem feita e um precedente para outros casos”, diz.

Relembre o caso

De acordo com o Boletim de Ocorrência, registrado no 49° DP de São Mateus, houve um roubo de carro na região. Depois de acionados pela vítima, os policiais militares seguiram pela rua, quando se depararam com Denis Augusto Amista Soares e dois jovens, um deles Thiago Duarte, já caído no chão e baleado. Denis relatou que os dois rapazes tentaram o roubar e que Thiago apontou uma arma para o PM, que estava à paisana, e atirou para se defender no rosto do jovem.

Ainda segundo o Boletim de Ocorrência, o outro jovem, que estava com Thiago Duarte, portava uma mochila repleta de ferramentas, que haviam sido levadas de dentro do carro roubado. A vítima do roubo de carro reconheceu as ferramentas. Os agentes de segurança também localizaram o carro da vítima.

A família de Thiago Duarte contesta a versão. Para eles, o jovem não estava armado, não participou do roubo ao carro e às ferramentas. Queli Duarte, mãe do jovem, disse que o filho havia ido ao mercado comprar leite e ressaltou o estado de saúde do rapaz, como forma de negar as acusações dos policiais.

“Desde pequeno até o começo da adolescência, ele fazia tratamento com psicóloga e psiquiatra no Hospital das Clínicas. Ele não guardava as coisas na cabeça, não sabia dizer o nome dos pais completo, endereço, nada disso. Não sabe ler e nem escrever. Ele tem 20 anos, mas é como se não tivesse. A idade mental dele era outra”, conta a mãe.

Mudança no rumo do caso

Depois de concluída a investigação, o caso de Thiago foi encaminhado, no dia 23 de Agosto, para a Justiça Militar. O inquérito sinalizou que o policial atirou no jovem em legítima defesa. A defesa do jovem contestou a ação e fez uma solicitação para que o juiz alterasse a decisão.

Em setembro, a vara de júri do Tribunal de Justiça de São Paulo assumiu a análise do caso que investiga a morte de Thiago Duarte de Souza. Na época, a decisão foi comemorada pela defesa da vítima. 

“O encaminhamento do inquérito para a vara do júri é primeira vitória da família, que agora aguarda celeridade na continuidade do caso," avalia a advogada Marina Toth. O promotor Romeu Júnior faz parte do Tribunal do Júri e é o autor do pedido para a reabertura da investigação.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg