COTIDIANO / Terça, 24 Janeiro 2017 13:37

"É mais um caso de racismo e perseguição aos pretos no Brasil", afirmam ativistas

Texto: Pedro Borges / Imagem: Reprodução/Facebook

Ato acontece no dia que marca o aniversário de São Paulo

No dia 25 de janeiro, ativistas do movimento negro, familiares e amigos protestam contra a prisão de Wilson Alberto Rosa, homem negro preso por motivações racistas, de acordo com os organizadores. O ato tem início às 11h e acontece em frente ao metrô Brigadeiro, na Avenida Paulista.

A Ponte Jornalismo apurou que Wilson Rosa foi preso, na manhã do dia 13 de janeiro, sob a acusação de ter roubado um aparelho celular e um tablet, em agosto do ano passado. A detenção aconteceu no cruzamento das avenidas República do Libano e Ibirapuera, onde o vendedor ambulante costumava trabalhar.

Depois de ser intimado por um policial e levado para a delegacia, uma mulher teria reconhecido e apontado Wilson como o autor do crime. Mesmo sem localizar nenhum dos aparelhos, Wilson foi preso “por roubo mediante ameaça e uso de violência contra a vítima”, como prevê o artigo 157.

A União dos Coletivos Pan-africanistas (UCPA) acompanha o caso e explica em que momento está a investigação. "Wilson Rosa está sendo assistido por um advogado amigo da família. Ele percebe que as autoridades estão tratando esse caso de maneira muito particular. Wilson foi acusado de furtar um celular, mesmo que nenhum aparelho tenha sido encontrado com ele".

Para a organizaão do movimento negro, a prisão de Wilson está permeada pelo racismo. "Sem dúvidas. É mais um caso de racismo e perseguição aos pretos no Brasil. Wilson foi preso em flagrante, sem provas, somente com o reconhecimento de uma suposta vítima".

De acordo com as informações da Ponte Jornalismo, Wilson mora no Jardim Herplin, extremo sul de São Paulo, tem esposa e mais três filhos, de 5, 11 e 13 anos. Wilson trabalha como vendedor ambulante desde os seis anos de idade e atua, desde 2013, no cruzamento onde foi preso.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

feminismonegro.jpg
leituradosbuzios.jpg
culturasafricanasema.jpg
racismorecreativo.jpg