COTIDIANO / Quinta, 13 Mai 2021 19:39

‘Denunciamos as várias formas que o Estado nos mata’, diz vereadora em manifestação

Com o lema “Nem bala, nem fome, nem Covid. O povo negro quer viver!”, manifestantes foram às ruas da Avenida Paulista, em São Paulo, nesta data que marca os 133 anos da assinatura da Lei Áurea

Texto: Pedro Borges e Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Fotos: Pedro Borges 

Manifestação na Av. Paulista, com cinco pessoas segurando uma faixa com a frase “Nem bala, nem fome, nem Covid. O povo negro quer viver!”
Introdução:

Com o lema “Nem bala, nem fome, nem Covid. O povo negro quer viver!”, manifestantes foram às ruas da Avenida Paulista, em São Paulo, nesta data que marca os 133 anos da assinatura da Lei Áurea

Texto: Pedro Borges e Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Fotos: Pedro Borges 

Neste 13 de maio, data que marca os 133 anos da assinatura da Lei Áurea, uma manifestação na cidade de São Paulo reuniu militantes, artistas e lideranças políticas na Avenida Paulista, uma das mais famosas da capital. O protesto teve concentração no vão livre do Masp e os manifestantes seguiram em direção à Praça Roosevelt.

As palavras de ordem do ato nacional convocado pela Coalização Negra por Direitos são “Nem bala, nem fome, nem Covid. O povo negro quer viver!” e relembram as vidas perdidas para violência policial, a insegurança alimentar e a pandemia da Covid-19.

"A manifestação foi convocada nacionalmente por solidariedade à chacina do Jacarezinho, que aconteceu na última semana. É também uma maneira de denunciar as várias formas de nos matar que o Estado brasileiro tem", relata a co-vereadora Paula Nunes, da bancada feminista do PSOL-SP, em entrevista à Alma Preta Jornalismo durante o ato.

Emicida e Milton no ato na avenida Paulista.Ao lado do rapper Emicida, um dos fundadores do Movimento Negro Unificado (MNU), Milton Barbosa, vê a juventude que vai às ruas como uma reação à violência do estado. "É uma resposta à altura. Nós não podemos aceitar esse projeto de genocídio, com essa polícia que mata a juventude negra", afirma Miltão, como é conhecido.

"Os negros sempre sustentaram e construíram o país, desde a eópoca da escravidão. Trouxeram conhecimento agrícola, medicinal, artístico e os brancos sempre montaram estratégias para nos explorar e dominar", complementa o militante.
Ato aconteceu neste 13 de maio de 2021 na Avenida Paulista.Os manifestantes presentes na manifestação também pediram o fim do governo de Jair Bolsonaro, principalmente em função da condução da pandemia da Covid-19, que já matou mais de 400 mil pessoas, enquanto a vacina caminha lentamente. Máscaras de proteção individual, como a PFF2, foram destribuídas pelas entidades organizadoras do protesto.

Confira também a série "O mito da Abolição",produzida em parceria com o Yahoo Notícias.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg