COTIDIANO / Segunda, 20 Setembro 2021 16:24

Delegada negra acusa segurança de racismo após ser barrada em loja

A delegada Ana Paula Barroso alega que um segurança da loja Zara a impediu de entrar por "questões de segurança"

Texto: Redação | Foto: Divulgação/PCCE

Delegada negra acusa loja de shopping de racismo
Introdução:

A delegada Ana Paula Barroso alega que um segurança da loja Zara a impediu de entrar por "questões de segurança"

Texto: Redação | Foto: Divulgação/PCCE

Uma delegada negra alega ter sido vítima de racismo após ser barrada pelo segurança da loja Zara, dentro de um shopping em Fortaleza, no Ceará. O caso aconteceu na última quarta-feira (14), no bairro Edson Queiroz.

Segundo a Polícia Civil do Ceará, Ana Paula Barroso tentou entrar na loja mas foi impedida pelo segurança, que alegou "questões de segurança". Mesmo depois de solicitar mais informações e questionar o motivo de ser barrada, ela continuou sem permissão para permanecer no estabelecimento comercial.

Ana Paula Barroso atua como diretora-adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis, da Polícia Civil do Ceará.

O inquérito policial da acusação de racismo foi instaurado pela Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza. No último domingo (19), a Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão após a loja se recusar a conceder imagens das câmeras de segurança.

PCCEPolícia Civil teve que cumprir mandado de busca e apreensão depois de loja se recusar a entregar imagens das câmeras de segurança | Foto: Divulgação/PCCE

Em nota enviada à Alma Preta, a Polícia informou também que o material apreendido serão submetido à perícia e as oitivas do caso ainda serão realizadas.

Em nota enviada à Alma Preta, o shopping Iguatemi Fortaleza informou que colaborou com a Polícia para disponibilizar as imagens do internas comuns do shopping. Disse também que "não compactua com quaisquer formas de discriminação ou demonstrações de preconceito racial" e que mais detalhes do ocorrido devem ser obtidos com a própria loja.

Leia também: Alunos temem impunidade em caso de apologia ao nazismo no Mackenzie

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS