COTIDIANO / Terça, 04 Janeiro 2022 15:18

Comunidades indígenas ficam isoladas após temporais na Bahia

De acordo com o Corpo de Bombeiros, mais de 20 famílias indígenas estão sem acesso à água potável e alimento nas cidades de Angical e Serra do Ramalho, no oeste da Bahia; Número de pessoas afetadas no estado já ultrapassa 700 mil

Texto: Redação | Foto: Corpo de Bombeiros de Barreiras - Bahia

Uma senhora está posicionada no canto inferior direito da imagem. Ela segura uma lona branca de uma casa de taipa. Do lado esquerdo da imagem estão posicionados cinco baldes de água
Introdução:

De acordo com o Corpo de Bombeiros, mais de 20 famílias indígenas estão sem acesso à água potável e alimento nas cidades de Angical e Serra do Ramalho, no oeste da Bahia; Número de pessoas afetadas no estado já ultrapassa 700 mil

Autor:

Texto: Redação | Foto: Corpo de Bombeiros de Barreiras - Bahia

Mais de 20 famílias de comunidades indígenas nas cidades de Angical e Serra do Ramalho, no oeste da Bahia, ficaram isoladas, sem alimento e água potável, após as fortes chuvas que atingiram o estado.

De acordo com o Corpo de Bombeiros de Barreiras, também no oeste da Bahia, na cidade de Angical 20 famílias da tribo Atikum foram atingidas no povoado Benfica. Já em Serra do Ramalho, foram sete famílias afetadas nas aldeias Pacaru e Funior. Com os temporais, as comunidades perderam imóveis, alimentos entre outros bens materiais. Não foi informado se há feridos ou desaparecidos nas comunidades.

Leia também: Saiba como ajudar as vítimas das fortes chuvas no Sul da Bahia

Agentes do Corpo de Bombeiros conseguiram ter acesso ao local na segunda-feira (3) e fizeram a entrega de cestas básicas e água potável para os indígenas de Angical. As doações para a comunidade de Serra do Ramalho estão previstas para esta terça-feira (4).

Entrega de doações indígenas CMBAIndígenas da tribo Atikum, em Angical, receberam doações de cestas básicas pelo Corpo de Bombeiros | Foto: Corpo de Bombeiros de Barreiras - BA

Ainda conforme o Corpo de Bombeiros, a Fundação Nacional do Índio (Funai) solicitou quase 2 mil litros de água mineral e cestas básicas à Defesa Civil da Bahia. As doações são da campanha SOS Chuvas, que faz a arrecadação de alimentos, roupas, itens de higiene entre outros para as famílias afetadas pelas chuvas nas regiões sul, extremo-sul e oeste da Bahia.

Dados dos impactos dos temporais na Bahia

De acordo com dados divulgados na segunda-feira (3), pela Defesa Civil da Bahia, subiu para 26 o número de mortos em decorrência das enchentes que ocorrem em diversas regiões do estado. Ao todo, 715.634 pessoas já foram atingidas pelos temporais, incluindo 30.915 desabrigados, 62.731 desalojados e 518 feridos.

Os municípios onde ocorreram as mortes são: Amargosa (2), Itaberaba (2), Itamaraju (4), Jucuruçu (3), Macarani (1), Prado (2), Ruy Barbosa (1), Itapetinga (1), Ilhéus (3), Aurelino Leal (1), Itabuna (2), São Félix do Coribe (2), Ubaitaba (1) e Belo Campo (1).

Os números da Defesa Civil correspondem às ocorrências registradas em 166 municípios afetados. Desse total, 154 estão com decreto de situação de emergência.

Na manhã da terça-feira (4), o governador do estado Rui Costa (PT) esteve no município de Vereda, no extremo sul da Bahia, para a entrega de cerca de 400 eletrodomésticos e colchões para a população atingida pelas enchentes. Ao todo, foram entregues 96 geladeiras, 96 fogões, 96 botijões e 96 colchões.

A ação dá continuidade às entregas iniciadas no dia 29 de dezembro na cidade de Itamaraju, e faz parte de uma das iniciativas de auxílio do governo do estado por causa dos temporais. Além dos eletrodomésticos, as famílias atingidas também terão acesso a um auxílio financeiro que ainda terá valor estipulado e repassado.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg