sábado, 8 de maio de 2021 COTIDIANO /

Comentarista política Basília Rodrigues é vítima de racismo na CNN

À Alma Preta, funcionários da emissora relatam comentários pejorativos e escolhas editoriais pensadas para o apagamento da jornalista

Texto: Redação | Imagem: Divulgação

Comentarista política Basília Rodrigues é vítima de racismo na CNN
Introdução:

À Alma Preta, funcionários da emissora relatam comentários pejorativos e escolhas editoriais pensadas para o apagamento da jornalista

Texto: Redação | Imagem: Divulgação

“Se ela fosse loira e de olho azul, você não estava enchendo o saco dela”, disse uma funcionária da CNN para outra colaboradora responsável pela edição das entradas ao vivo. Segundo relatos, a jornalista Basília Rodrigues foi alvo de uma perseguição com motivação racista, o que gerou incômodo entre profissionais da emissora.

Basília é comentarista política da CNN desde março de 2020 e faz entradas ao vivo com informações dos bastidores de Brasília. Acostumada a fazer aparições em locais símbolos da capital federal, a jornalista passou a participar dos programas remotamente de sua casa, por conta do agravamento da pandemia da Covid-19.

 

Desde então, funcionários ouvidos pela Alma Preta relataram uma espécie de perseguição à jornalista. A edição do jornal Novo Dia chegou a reclamar da comentarista estar “descabelada”. De acordo com as fontes ouvidas, Basília mudou o cabelo de um lado para o outro, o que deixou uma parte mais volumosa. Os funcionários dizem ser comum orientar as pessoas, quando estão ao vivo, a arrumar o cabelo.

“Eu já cansei de ver esse tipo de orientação quando a pessoa está na bancada. Era a mesma coisa que deveriam ter feito: ‘Basília, quando você mexeu o seu cabelo de um lado para o outro, ele ficou fora do lugar. Só mexer ele de novo’. É um briefing e um cuidado para se ter com qualquer tipo de apresentador, e não tiveram com ela”, conta.

Nesse momento, um dos trabalhadores questionou: “Se ela fosse loira e de olho azul, você não estava enchendo o saco dela”. A pessoa responsável pelas reclamações, conhecida pela função de “fechadora”, é apontada como Tatiana Mocelin. Ela disse que apenas estava repassando as insatisfações da chefia de edição da TV. O jornal Novo Dia tem como editor-chefe Igor Peixoto, que está no cargo há 1 ano e 6 meses.

Em recentes participações ao vivo de Basília Rodrigues, os editores de imagem também optaram por ocultar a comentarista, deixar apenas a voz dela e se utilizar de imagens de apoio para ilustrar as entradas ao vivo.

“Quando a pessoa começa a falar, você a deixa em tela cheia e tira os demais participantes. O normal é colocar um pouco de imagens ilustrativas do fato na tela, reduzir um pouco o quadro e fazer uma alternância, com ora mais destaque para as imagens de ilustração, ora do jornalista. Quando ia encher a tela com a Basília, pedia para não encher a tela e deixar só as imagens de ilustração. Esse foi outro fato que chamou atenção”, detalha a fonte ouvida pela reportagem.

Incomodados, alguns funcionários comentaram “só não enxerga quem não quer”, em referência ao tratamento negativo e diferenciado dado à comentarista.

Segundo a apuração, houve também reclamações acerca das participações de Basília por conta do fundo do vídeo da sua casa, uma parede toda branca. No dia seguinte, a comentarista estava à frente de uma prateleira, o que também gerou reclamações. “Um dia reclamaram da parede branca, depois reclamaram que ela estava à frente de uma prateleira. A gente vê pessoas em um caos, com a parede repleta de coisas, e entra sem qualquer tipo de problema”, salienta um funcionário.

Em outra entrada ao vivo da comentarista, a reclamação foi de que ela “estava olhando para cima no vídeo”. Segundo os profissionais ouvidos, diversas reclamações direcionadas ao trabalho da jornalista seriam resolvidas com um pedido de ajuste ou chamada. “Nesta situação faltou um briefing”, diz um dos entrevistados.

A Alma Preta entrou em contato com a CNN para repercutir as informações coletadas. Por e-mail, a assessoria de comunicação respondeu que não tolera nenhuma discriminação e que o departamento de recursos humanos apura com rigor os casos denunciados.

“Não há qualquer fundamento em relação a não mostrar a imagem da jornalista. Quem acompanha a nossa programação é testemunha de sua presença constante”, diz o e-mail da emissora. Durante o ocorrido, o editor-chefe do jornal Novo Dia, Igor Peixoto, estava de férias. Ele e Tatiana Mocelin também foram procurados pela reportagem, mas não se pronunciaram sobre o caso.

Racismo estrutural no jornalismo

A jornalista, professora e doutoranda Tatiana Oliveira recorda que Basília Rodrigues é uma jornalista renomada, que adentra espaços políticos e confronta representantes do poder executivo, legislativo e judiciário. Apesar disso, a pesquisadora acredita que a comentarista está passando por violência racial, principalmente por conta da curvatura de seu cabelo.

“O cabelo padrão é sempre liso, haja visto inclusive que as mulheres, brancas ou não, geralmente recorrem a esse recurso estético. E inúmeros relatos de mulheres negras denunciam o quanto elas são agredidas desde a infância por conta do cabelo”, pondera.

Para a professora, os comentários feitos sobre Basília - relatados por colegas de profissão - são exemplos de como o racismo estrutural se mostra em meio à imprensa. A especialista usa o raciocínio de Muniz Sodré, na obra “Claros e Escuros: identidade, povo e mídia no Brasil” para demonstrar algumas etapas comuns do racismo na imprensa.

A primeira delas é a negação, ou seja, o racismo não é apresentado como uma questão estrutural e se noticiam apenas as situações de violência racial, geralmente como casos de “suspeitas de racismo”. Outra etapa que Tatiana avalia é a estigmatização, que marca a diferença racial, ou seja: se o padrão estético da mídia brasileira é branco – apesar da maioria da população ser negra – os traços fenótipos de pessoas não brancas são inferiorizados, e o cabelo geralmente é o primeiro alvo.

A professora também explica outro fator, que é a indiferença profissional nos meios de comunicação. Ela apresenta o número reduzido de jornalistas negros nas redações e geralmente com cargos de pouca visibilidade como uma prova desse processo. Tatiana acredita, contudo, que a inclusão não é toda a resolução do problema.

“Quando os jornalistas negros estão na linha de frente acabam por cumprir um papel de representatividade e cria-se uma noção de ‘simulacro de democracia racial’, mas cabe lembrar: a ‘democracia racial’ é um mito criado para apaziguar os conflitos raciais”, avalia.

Quem é Basília Rodrigues?

Formada em Jornalismo em 2008 e pós-graduada em História, Sociedade e Cidadania pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), Basília Rodrigues foi repórter da rádio CBN por 12 anos na capital federal e é responsável por acompanhar os principais debates políticos no país.

Trabalhou por quatro anos como editora-chefe da revista brasiliense Evok (2015 a 2020) e também tem no currículo a passagem por diversos veículos de comunicação, como Correio Brasiliense, Gazeta do Povo, Congresso em Foco e Jota como repórter, além de ter atuado na TV Brasília, afiliada à RedeTV, como produtora.

Em março de 2020 e em agosto de 2018, Basília Rodrigues foi premiada com o Troféu Mulher Imprensa, na categoria repórter de rádio. Indicada duas vezes ao Prêmio Comunique-se, a jornalista ficou em primeiro lugar no Prêmio de Jornalismo da Associação Nacional dos Defensores Públicos do Estado do Rio Grande do Sul, com uma reportagem especial sobre a iniciativa desses trabalhadores pelo combate ao preconceito racial em Brasília.

Aos 32 anos chegou para a CNN como comentarista política, com maior liberdade editorial. Ela tem a função de apurar notícias de cunho político em Brasília e a possibilidade de comentar os fatos.

Após a repercussão da reportagem, a CNN Brasil enviou a seguinte nota:

"A reportagem publicada nesta quinta-feira (15) pelo site Alma Preta afirma que uma das colaboradoras da CNN tem sido “vítima de racismo” na emissora. A acusação é gravíssima. Por isso, entendemos que é necessário um posicionamento público e transparente por parte da empresa.

A CNN Brasil não tolera qualquer tipo de discriminação, seja racial ou de outra natureza, e apura com rigor e transparência qualquer denúncia. Somos uma emissora recém-chegada ao Brasil, que debate abertamente questões de diversidade, equidade e justiça social.

A jornalista citada na reportagem, Basília Rodrigues, é analista de política da CNN Brasil. A reportagem do Alma Preta, publicada sem assinatura, cita fontes não-identificadas para firmar que Basília “foi alvo de uma perseguição com motivação racista”.

O texto afirma que Basília “passou a participar dos programas remotamente de sua casa, por conta do agravamento da pandemia da Covid-19. Desde então funcionários ouvidos pelo Alma Preta relataram uma espécie de perseguição à jornalista”.

Para sustentar a acusação, narra quatro episódios que teriam ocorrido no canal:

Em uma determinada entrada ao vivo, segundo o texto, a jornalista “mudou o cabelo de um lado para outro, o que deixou uma parte mais volumosa”. O texto relata que a direção do jornal teria reclamado para a equipe que ela estava “descabelada” e não a teria alertado. Editores de imagem teriam optado por ocultar a comentarista, deixando apenas a voz dela no ar, com uso de imagens de apoio para ilustrar as entradas ao vivo. Também teriam ocorrido reclamações por conta do “fundo” que aparecia nas entradas que a jornalista fazia de sua casa. Teriam sido criticadas “uma parede toda branca” e um fundo “com uma prateleira”. Em outra entrada ao vivo “a reclamação foi de que ela estaria ‘olhando para cima’ no vídeo.”

O texto afirma que todos os fatos acima foram motivados por perseguição racial e credita fonte anônima para afirmar: “só não vê quem não quer”.

Não há qualquer fundamento em relação a não mostrar a imagem da jornalista. Nunca houve qualquer orientação neste sentido. Quem acompanha a nossa programação sabe que Basília é presença constante em nosso vídeo desde nossa estreia, sendo reconhecida por seu profissionalismo e amplo conhecimento dos bastidores políticos de Brasília. Depois de uma bem sucedida carreira em rádio, Basília fez sua estreia na TV justamente na CNN.

De fato, a jornalista trabalhou em home office por alguns dias, por suspeita de estar com a Covid-19 - o que, felizmente, não se confirmou nos exames. O procedimento foi o mesmo seguido por todo o nosso elenco desde o ano passado.

Naquele curto período, foram feitos ajustes no set de sua casa como a correção do fundo e da iluminação, exatamente da mesma forma como foi feito com todos os profissionais da empresa que passaram pela mesma situação. Procedimento padrão, guiado pelos critérios técnicos da emissora.

Quanto ao cabelo de Basília, nunca houve e nunca haverá qualquer pedido de mudança a ela e a nenhum outro colaborador. A CNN entende que o cabelo afro é um símbolo importante de resistência e empoderamento.

Tão logo foi notificada da reportagem do Alma Preta, a CNN cuidou de apurar a situação e até o momento não encontrou nenhuma evidência, ou mesmo indicação, de perseguição racial.

A própria Basília afirmou não ter conhecimento dos fatos narrados, que estão neste momento sendo apurados pelo Compliance da empresa. Basília já havia dito o mesmo a Pedro Borges, editor-chefe e cofundador do Alma Preta, que procurou a analista da CNN antes da publicação da matéria e narrou a ela os relatos que diz ter apurado.

De qualquer forma, queremos ressaltar: se qualquer colaborador da CNN for vítima ou presenciar qualquer situação de discriminação ou violação de natureza ética ou legal, deve procurar a área de recursos humanos ou de compliance e relatar o ocorrido. Todos os casos serão apurados com rigor e transparência, preservando a identidade de quem fizer a denúncia.

Continuamos em busca de fatos que comprovem a reportagem publicada pelo Alma Preta para, de imediato, tomarmos todas as medidas cabíveis.

O combate ao racismo é responsabilidade de todos."

Confira também:

Mídia é responsável por difundir estereótipos de desumanização dos negros, dizem comunicadoras

Apoie jornalismo preto e livre!

O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos  equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

 

VÍDEOS