COTIDIANO / Terça, 20 Julho 2021 12:04

Com o avanço da vacinação, escolas de samba esperam retorno de ensaios em outubro

No mais recente decreto, a prefeitura prevê a vacinação de toda população adulta com pelo menos uma dose contra a Covid-19 para liberar eventos de grande proporção como o Carnaval

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Reprodução/Bruno Giannelli

Introdução:

No mais recente decreto, a prefeitura prevê a vacinação de toda população adulta com pelo menos uma dose contra a Covid-19 para liberar eventos de grande proporção como o Carnaval

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Reprodução/Bruno Giannelli

Com o avanço na campanha de vacinação da cidade de São Paulo, algumas escolas de samba esperam que os ensaios abertos possam ser retomados ainda neste mês de outubro. A Liga Independente das Escolas de Samba ainda não deu um posicionamento oficial, mas segundo a nota assinada pelo presidente da entidade, Sidnei Carriuolo, há esperança de que, a partir do decreto de liberação parcial de eventos em 2021 e 2022, emitido pela Prefeitura, os preparativos do Carnaval do ano que vem possam prosseguir.

“Com a queda no número de internações é possível planejar a festa. Quando a pandemia de Covid-19 for controlada e a crise contornada, o evento estará pronto. O caminho é planejar a retomada com responsabilidade, nos preparando para quando fevereiro chegar”, afirma o presidente da Liga em nota oficial.

No início deste mês, a prefeitura criou um decreto responsável pela organização de eventos festivos nos anos de 2021 e 2022, como Carnaval e Réveillon. O documento prevê a vacinação da população com pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19, o que reduz o número de casos e mortes pela doença nos próximos meses. Até o momento, segundo o Vacinômetro do Governo Estadual de SP, 8.844.586 doses já foram aplicadas na cidade paulistana.

Além disso, a Liga SP promoveu o retorno dos ensaios técnicos para comissões de frente e casais de mestre-sala e porta-bandeira das escolas de samba no Anhembi no início do mês de julho. A medida é restrita a estes segmentos e, segundo o órgão, obedece aos protocolos sanitários das autoridades de saúde contra a Covid-19.

Cuidados para além do vírus

A Faculdade do Samba Barroca Zona Sul afirma que, apesar de ainda não existir um posicionamento oficial da Liga ou da Prefeitura, caso os ensaios retornem em outubro, a ideia é seguir com os protocolos de saúde para controlar a disseminação do novo coronavírus.

“Seguiremos com o que for estabelecido, com o limite de pessoas, uso de máscaras e álcool. A vacinação com certeza ajuda, principalmente no planejamento do desfile, confecção de fantasias etc. Teremos um grande espetáculo, pois pelas características do povo brasileiro, todos os obstáculos serão superados”, salienta o diretor institucional da escola, Fernando Henrique Godoi.

Leia também: ‘Indumentária das yabás da nação nagô de PE é tema de nova coleção de moda’

Já o diretor de harmonia da GRCES Leandro de Itaquera, Gilson Caetano, pondera que a pandemia deixou sequelas no psicológico das pessoas que vivem do carnaval. Ele afirma que também é necessário dar atenção para o emocional dos membros das escolas.

“A ideia é recomeçar na primeira semana de outubro e, com certeza, com grande parte da população vacinada será maior a nossa segurança. Nossa ideia é trabalhar o físico e, principalmente, o psicológico antes de quaisquer atividades visando o carnaval 2022”, avalia.

Para repercutir as informações sobre a retomada dos ensaios das escolas de samba de São Paulo, a Alma Preta Jornalismo entrou em contato com a Liga SP e também com a Secretaria Estadual e Municipal de Saúde, sobre os avanços da vacinação na cidade e se as doses aplicadas serão suficientes para realizar o carnaval de maneira segura. Até o momento desta publicação, as entidades não retornaram. Caso respondam, o texto será atualizado.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg