COTIDIANO / Quinta, 21 Outubro 2021 06:01

Com maioria de alunos negros, escola de São Paulo adota pedagogia antirracista

Com 85% dos alunos negros, escola fica localizada na Zona Leste de São Paulo; estudo mostra que o desenvolvimento de crianças negras pode ser prejudicado pela discriminação racial

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação

 

Professora e aluna de escola que aposta em metodologia antirracista
Introdução:

Com 85% dos alunos negros, escola fica localizada na Zona Leste de São Paulo; estudo mostra que o desenvolvimento de crianças negras pode ser prejudicado pela discriminação racial

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação

 

A Oba Educacional, escola localizada no bairro de José Bonifácio, na zona leste de São Paulo, possui 70 alunos, 85% deles negros. Diante dessa estatística, a instituição de ensino adotou políticas afirmativas de combate à discriminação racial na educação da primeira infância. Na unidade, são oferecidas aulas de educação infantil, aulas particulares e de reforço, além de inglês afrocentrado para crianças de até 12 anos.

A escola conta com um modelo de aulas remotas realizado através de uma plataforma própria, com uma rotina pedagógica adaptada para cada faixa etária e nível de aprendizagem.  A instituição de ensino também prioriza a contratação de professores negros e compreende as dificuldaddes que esses profissionais encontram no mercado de trabalho.

“Enquanto educadora eu acredito que esse combate ao racismo é um trabalho que se volta para os familiares das crianças e toda a comunidade escolar. É preciso conscientizar primeiro as famílias para que elas participem do universo escolar e minimizem o preconceito”, reflete a diretora Eliane Mara de Brito.

Um estudo do Núcleo Ciência Pela Infância (NCPI), intitulado "Racismo, Educação Infantil e Desenvolvimento na Primeira Infância”, mostra que o racismo prejudica o desenvolvimento de crianças negras, que estão sujeitas a desenvolver problemas emocionais e físicos devido ao impacto de preconceitos e discriminações na primeira infância. 

De acordo com a publicação, se as crianças convivem em espaços que oferecem como experiência relações sociais em que a imagem do negro é construída a partir de referências negativas, é de se esperar que isso afete o seu desenvolvimento emocional. O estudo também aponta os principais impactos do racismo no desenvolvimento infantil: rejeição da própria imagem; construção de identidade racial desvalorizada; problemas de socialização e inibição comportamental; propensão de doenças crônicas na vida adulta; estresse e ansiedade. 

"Os alunos precisam do contato com referências estéticas, ideológicas, intelectuais e filosóficas que valorizem a cultura afro-brasileira. Quando o aluno chega na escola, pensamos primeiro na construção da autoestima dele, em um sentido contrário a tudo o que a sociedade prega e que o aluno negro escuta ao longo dos anos no ambiente escolar tradicional”, conta João Vitor Silva, gerente de comunicação e negócios da Oba Educacional. 

João também fala sobre o cuidado com as famílias dos alunos. Nesse sentido, a instituição propaga representatividade para toda a comunidade escolar, que vai desde o ‘bilhetinho’ na agenda.  “Entendemos a efetividade da metodologia de trabalhar a autoestima para depois introduzir uma abordagem teórica”, explica o gerente de comunicação.

“Sabemos dos efeitos causados pelo racismo, como a falta de autoestima, que prejudica grandemente o desempenho pedagógico de crianças negras. Quando passam a aceitar a própria imagem, elas assimilam melhor o conteúdo da sala de aula e enxergam a escola de forma mais acolhedora e menos opressora”, complementa.

Educação infantil é um dos primeiros e mais importantes ambientes de socialização da criança

Ainda segundo a pesquisa do Núcleo Ciência Pela Infância, a educação infantil é um dos primeiros e mais importantes ambientes de socialização da criança e é nesse espaço que ocorrem as interações sociais que impactam diretamente no desenvolvimento dos pequenos.

"Quando a criança passa por uma situação racista, ela pode construir um sentimento de desvalorização, de rejeição da própria imagem, de inibição e dificuldade de confiar em si mesma. Isso afeta, inclusive, o seu processo de socialização", explica Lucimar Dias, pedagoga e professora Associada da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que coordenou o estudo.

Para a diretora da Oba Educacional, a educação infantil possui um papel primordial de combate ao racismo, principalmente no que tange à conscientização durante a primeira infância. 

“Esse trabalho de conscientização é válido tanto para a criança negra quanto para a não negra. Através de rodas de conversas, de literaturas, gerando uma aproximação cultural para que a criança cresça e não demonize a cultura africana”, pondera Eliane.

Leia também: Retorno das aulas nas escolas públicas traz desafios para ressocialização das crianças

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg