COTIDIANO / Sexta, 01 Outubro 2021 10:04

Co-vereadora defende mulher de agressão e é chamada de 'macaca' e 'suja'

O episódio aconteceu em uma padaria em frente à Câmara Municipal paulistana: "Falar sobre a violência racista que sofremos todos os dias é importante para sabermos que nenhuma pessoa negra está livre disso e que não nos calaremos mais”, diz co-parlamentar Paula Nunes

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Arquivo pessoal 

Paula Nunes é covereadora pelo PSOL em São Paulo
Introdução:

O episódio aconteceu em uma padaria em frente à Câmara Municipal paulistana: "Falar sobre a violência racista que sofremos todos os dias é importante para sabermos que nenhuma pessoa negra está livre disso e que não nos calaremos mais”, diz co-parlamentar Paula Nunes

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Arquivo pessoal 

A co-vereadora Paula Nunes (28), do mandato coletivo Bancada Feminista (PSOL), foi vitima de injúria racial quando intercedeu em favor de uma mulher que sofria violência dentro de uma padaria, na região central de São Paulo, nesta quinta-feira (30). A co-parlamentar foi xingada de “macaca” e “suja” pelo agressor.

Paula Nunes estava na padaria Palma de Ouro, que fica em frente à Câmara dos Vereadores e é muito frequentada pelos parlamentares e seus assessores, quando notou em uma mesa próxima um homem exaltado que ofendia em um tom de voz elevado uma mulher que estava com ele e mais três crianças. Em um momento, o agressor chegou a quebrar o celular dela.

“Ele levantou e começou a quebrar o telefone dela no banco. Eu disse então que não iria permitir que ele a agredisse. Daí, ele se voltou contra mim e gritou que eu era uma 'preta', 'macaca', 'suja', e que ela era mulher dele e eu estava me metendo onde não devia”, lembra a co-vereadora.

A briga continuou, a moça foi até a mesa onde estava a co-vereadora e o homem foi atrás. “Ele repetiu os insultos e ficou exaltado. Então, imobilizaram ele até a chegada dos policiais militares”, conta Paula.

O caso foi registrado no 78º DP, no bairro dos Jardins. A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) foi procurada pela Alma Preta Jornalismo para comentar o caso e confirmar se o homem foi preso em flagrante por injúria racial e tentativa de agressão, porém a pasta não respondeu. O depoimento da co-vereadora feito na tarde de ontem para os delegados do 78º DP.

Pelo artigo 40 do Código Penal, o crime de injúria racial tem pena máxima prevista de três anos de prisão. A assessoria da padaria Palma de Ouro também foi procurada, mas também não respondeu. A reportagem será atualizada com os posicionamentos da Secretaria e da padaria.

“É uma situação muito constrangedora. Eu me senti como se tivesse sido atropelada por um caminhão. Falar sobre a violência racista que sofremos todos os dias é importante para sabermos que nenhuma pessoa negra está livre disso e que não nos calaremos mais”, declara a co-parlamentar.

Leia mais: Douglas Belchior sai do PSOL: "Esquerda não reconhece o movimento negro como força política"

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg