COTIDIANO / Terça, 24 Agosto 2021 13:06

‘Não estou aqui para servir casa de macumba’, diz vereador de Feira de Santana

Vereador Paulão do Caldeirão (PSC) disse ainda, em sessão na Câmara, que as religiões não cristãs têm procedência “maligna” e são “imundice”

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nataly Simões| Foto: Reprodução/Vídeo

Paulão do Caldeirão exibe faixa em nome de Jesus e profere falas de intolerância religiosa
Introdução:

Vereador Paulão do Caldeirão (PSC) disse ainda, em sessão na Câmara, que as religiões não cristãs têm procedência “maligna” e são “imundice”

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nataly Simões| Foto: Reprodução/Vídeo

O Movimento Mulheres de Axé do Brasil do Recôncavo, na Bahia, denuncia um caso de intolerância religiosa envolvendo o vereador Paulão do Caldeirão (PSC) durante uma sessão na Câmara de Feira de Santana, cidade localizada na região Metropolitana de Salvador.

O caso aconteceu quando o vereador Silvio Dias (PT) cobrou da Câmara um posicionamento em relação a uma faixa utilizada por Paulão com o nome de Jesus. Silvio Dias citou um Requerimento da Casa Legislativa de Feira de Santana que fala sobre a proibição de faixas e simbologias dentro da Câmara.

"No recinto de reuniões do Plenário não poderão ser afixados quaisquer símbolos, quadros, faixas, cartazes ou fotografias que impliquem propaganda político partidária, ideológica, religiosa ou promoção pessoal de quem quer que seja [...] Essa é a Casa onde se constrói as leis e tem que dar exemplo se cumprindo a lei de imediato", afirmou Dias, citando o artigo 2º do Requerimento Interno da Câmara para pedir o cumprimento da Lei, que foi recusado pelo presidente da Casa, Fernando Torres (PSD).

Em resposta, o vereador Paulão do Caldeirão, que é cristão e faz o uso recorrente da faixa, bradou insultos a outros tipos de religiões e disse: "Não estou aqui para servir casa de macumba".

"É covardia adorar a Satanás. Que Vossa Excelência possa seguir ao seu diabo, eu vou seguir ao meu Deus [...] Eu não estou aqui para servir à casa de Macumba", disparou na Sessão e completou dizendo que toda a religião que não é cristã é "de procedência maligna", "lixo" e "imundice". 

À Alma Preta Jornalismo, a Iyalaxé e coordenadora da Mulheres de Àṣẹ do Brasil, do Recôncavo, Juçara Lopes, disse que o grupo vai pedir direito de resposta na Câmara e que pretende apresentar uma denúncia por intolerância religiosa no Ministério Público.

A Iyalaxé, que é representante nacional do Movimento, também pontuou que uma reunião está marcada para a noite desta terça-feira (24), onde serão discutidas as ações a serem tomadas contra a fala do vereador. "Estamos construindo com o GT Jurídico para tomar as melhores decisões", afirmou Juçara.

A reportagem cobrou um posicionamento do vereador Paulão do Caldeirão sobre o pedido de resposta do Movimento e em relação às declarações dele na Sessão do dia 10 de agosto, mas não obteve resposta até a publicação deste texto. Caso o parlamentar responda, a matéria será atualizada.

Leia também: 

Por que Exú é tão demonizado?

Rede de Mulheres de Terreiro abre representação criminal contra pastor

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

boletim40.jpg
boogienaipe.jpg
ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg