COTIDIANO / Terça, 07 Junho 2022 11:09

Campinas: grupo invade bar e tenta sequestrar funcionário da Guiné-Bissau

Ataque aconteceu em um bar de Campinas frequentado por estudantes da Unicamp; agressores usavam coletes dos Abutres e apontaram uma arma para o DJ

Texto: Juca Guimarães I Edição: Elias Santana Malê I Imagem: Reprodução da internet

Bar do Ademir foi alvo de ataque
Introdução:

Ataque aconteceu em um bar de Campinas frequentado por estudantes da Unicamp; agressores usavam coletes dos Abutres e apontaram uma arma para o DJ

Autor:

Texto: Juca Guimarães I Edição: Elias Santana Malê I Imagem: Reprodução da internet

A Polícia Civil de São Paulo investiga uma tentativa de sequestro realizada por um grupo que aconteceu na cidade de Campinas. O ataque aconteceu em um bar que é frequentado por estudantes da Unicamp, indígenas e jovens negros.

O grupo formado por três pessoas estava armado e chegou a disparar três tiros para o alto. Segundo relatos, eles também fizeram “imitações de macaco” e xingaram as pessoas com ofensas racistas e homofóbicas. O dono do bar tentou intervir, porém, foi agredido no rosto pelo trio. A agressão aconteceu por volta das 22h, logo no início do show do DJ O’Rosa, no Bar do Ademir, no dia 5 de maio, uma sexta-feira. 

O funcionário que sofreu a tentativa de sequestro nasceu na Guiné-Bissau. Os três agressores estavam usando coletes do moto clube “Abutres” e traziam nas roupas emblemas com a suástica nazista e a bandeira do exército confederado - frente racista que defendia a manutenção da escravidão de pessoas negras durante a Guerra de Secessão americana.

“As testemunhas contam que eles chegaram de carro e começaram a xingar o rapaz guineense, negro e bem retinto, que estava na frente do bar. Eles chamaram ele para dentro do carro. Quando ele disse que não iria entrar no carro, apontaram a arma para ele e xingaram ele”, disse o DJ.

Durante o ataque, os três homens também ameaçaram o DJ O'Rosa, que é um homem negro. “Eu corri quando ele apontou a arma para mim. Eles saíram ameaçando e xingando as pessoas com expressões racistas. Agora eu estou um pouco melhor, mas fiquei algumas semanas abalado”, contou O'Rosa.

Após o ataque, o grupo fugiu. Os suspeitos também participaram, na mesma noite, de um outro episódio em um bar na cidade de Paulínia, onde duas pessoas ficaram feridas após serem atingidas por tiros. A polícia conseguiu prender um dos suspeitos, que no grupo dos Abutres é conhecido como “Bronze”.

O Moto Clube “Abutre’s: Raça em Extinção” existe desde o final dos anos 80 e tem aproximadamente 7,5 mil integrantes em todas as regiões do Brasil e também em outros países. Os membros participam de encontros e viagens longas. Em vídeos que circulam na internet, há imagens de reuniões em que os integrantes se dispõem a serem marcados com ferro em brasa.

A relação entre moto-clubistas brasileiros e grupos de discursos de ódio e racistas não é explícita. Segundo o historiador e comunicador Rodrigo Palhaço, do canal TV Moto Clube, no Youtube, os motoclubes são neutros em questões políticas, religiosas e raciais, mas têm regras próprias de conduta.

“Fiquei surpreso quando vi que, de uns três anos para cá, começaram a aparecer símbolos de extremistas. O colete do motoclube representa o grupo e não é, ou não deveria ser, ligada a coisas como essas”, disse Palhaço, especialista na história dos motoclubes e que também é ex-Abutre’s.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que o caso está sendo investigado pelo 7º DP de Campinas e um dos autores do ataque já foi indiciado. Por conta da natureza do crime, o inquérito segue em sigilo.

A Alma Preta Jornalismo procurou os representantes do Moto Clube Abutre’s: Raça em Extinção para comentar o ataque. Em resposta, o grupo escreveu “Somos totalmente contra qualquer tipo de discriminaçao racial ou religiosa, muito menos a apologia de qualquer crime ou discurso de ódio”.

Leia mais: “Os terreiros estão sendo incendiados como a KKK fazia nos EUA”, diz Kabengele Munanga

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

novageracaoskate.jpg
temclimapraisso8.jpg
flagrapmbahia.jpg
anasanches7.jpg