COTIDIANO / Quinta, 29 Julho 2021 14:15

Babalorixá sofre ataque nas redes sociais por receber título de contribuição à cultura

Pai Ivo da Xambá, nação presente em Pernambuco desde 1951, recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco; anúncio deu espaço para comentários que relacionam o candomblé à feitiçaria 

Texto: Victor Lacerda I Edição: Nataly Simões I Imagem: Secult-PE

O Babalorixá Pai Ivo da Xambá
Introdução:

Pai Ivo da Xambá, nação presente em Pernambuco desde 1951, recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco; anúncio deu espaço para comentários que relacionam o candomblé à feitiçaria 

Texto: Victor Lacerda I Edição: Nataly Simões I Imagem: Secult-PE

A Constituição Federal diz que o Brasil é um Estado Laico - onde todas as religiões contam com a proteção estatal e com a liberdade de suas crenças e cultos -, mas na realidade inúmeros são os casos de intolerância religiosa ocorridos pelo país, principalmente voltados às religiões provenientes do povo negro. Nesta semana, o alvo desse tipo de crime  foi o babalorixá Pai Ivo da Xambá, nação presente em Pernambuco desde 1951. 

Na última sexta-feira (23), o líder recebeu o título de Doutor Honoris Causa pelo reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Alfredo Gomes. Para a instituição pública, a condecoração foi motivada pela contribuição do babalorixá como guardião e difusor do candomblé, das práticas, costumes, cultura e memória da matriz africana no Brasil. Pai Ivo de Xambá sucede, há 25 anos, a tradição deixada por sua mãe, a Iyalorixá Biu da Xambá. 

A notícia, divulgada em grupos e em páginas de notícias nas redes sociais, foi motivo de alegria para ativistas, movimentos da luta antirracismo, demais líderes religiosos de crenças de matrizes africanas e praticantes dos cultos originários da população negra. O mesmo espaço foi usado para ataque de contas que não apresentavam a identidade correta dos usuários que, entre os comentários, associavam a contribuição do babalorixá a práticas espirituais maléficas.

Mesmo de conhecimento público que a nação à qual Pai Ivo pertence registra outros títulos como, em 2008, quando recebeu do Ministério da Cultura, em conjunto com a Fundação Cultural Palmares (FCP) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o título de primeiro Quilombo Urbano do Brasil, os comentários negativos não pararam. “Deus odeia a feitiçaria e bruxarias são imundas aos do senhor Jesus Cristo” e “ele precisa de libertação” foram algumas das frases de discriminação proferidas nas redes.

Leia também: Do Museu Nacional da Bíblia a 'Exu Corona': violências simbólicas reforçam a intolerância religiosa no Brasil

“Isso nada mais é do que resultado de uma educação realizada por uma elite branca e cheia de preconceitos, não só com a religião. O que aconteceu comigo, simplesmente, é a reação daquilo que está adormecido nessas pessoas, mas não está morto. A convicção de não admitir, de forma alguma, uma pessoa negra, de liderança, receber um reconhecimento como este”, pontua o babalorixá, em entrevista à Alma Preta Jornalismo.

Como resposta aos comentários discriminatórios, uma reunião dentro da sede da Nação Xambá foi realizada na manhã desta quinta-feira (29). Ação conjunta foi realizada entre o líder religioso, membros da Xambá e os advogados Marcelo Santa Cruz e Antônio Carlos (Toinho). De acordo com informações passadas para a reportagem, uma peça judicial será preparada e, em seguida, uma representação junto ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) será apresentada. 

“Faremos isto para que essas pessoas não ajam dessa forma e saiam impunes, causando constrangimento. Eu consigo resistir, mas e meus netos? Os mais jovens da nação que ainda não sabem se defender? Quero deixar isso de exemplo e pontuar que estes supostos praticantes não seguem o que dizem suas próprias religiões. Onde está o amor ao próximo?”, questiona e finaliza o babalorixá.

Leia também: Mulher trans denuncia ataques transfóbicos e de intolerância religiosa por parte de pastor

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg