COTIDIANO / Terça, 09 Novembro 2021 15:58

Área de palafitas na Zona Sul do Recife recebe Cozinha Popular Solidária

Ação é fruto da parceria de movimentos sociais atuantes na capital como a Campanha Mãos Solidárias; espaço foi construído no Pina, Zona Sul do Recife, com ajuda de dentro e fora da comunidade 

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagem: Divulgação/Mãos Solidárias

 

Área de palafitas na Zona Sul do Recife recebe Cozinha Popular Solidária
Introdução:

Ação é fruto da parceria de movimentos sociais atuantes na capital como a Campanha Mãos Solidárias; espaço foi construído no Pina, Zona Sul do Recife, com ajuda de dentro e fora da comunidade 

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagem: Divulgação/Mãos Solidárias

 

Sinônimo de saúde, bem estar e qualidade de vida, o direito à alimentação é algo básico no dia a dia de qualquer pessoa. No Brasil, a desigulade social anula um direito que deveria ser garantido pelo Estado. Pensando em combater o cenário de insegurança alimentar e fome, movimentos sociais atuantes no Recife se juntaram à Campanha da ONG Mãos Solidárias, que leva o mesmo nome, e implantaram uma Cozinha Popular Solidária na área de palafitas, no Bairro do Pina, Zona Sul do Recife. 

Construído coletivamente com a ajuda de pessoas de dentro e fora da comunidade, o espaço tem capacidade para produção de cerca de 500 refeições diárias, que vão alimentar centenas de famílias; pessoas em sucessivos quadros de vulnerabilidade que, nos últimos semestres, tiveram que lidar com um desafio ainda maior para sobreviver: a pandemia pela COVID-19. 

Para Duda Vasconcelos, militante da Pastoral da Juventude Rural de Pernambuco - organização que também ajudou na construção da estrutura e deu suporte às famílias locais -, em conversa com a Alma Preta Jornalismo, a implementação da cozinha é reflexo de um cenário de urgência por necessidades básicas que não era visto com tanta força em anos anteriores. 

“A fome voltou ao Brasil, as pessoas voltaram a passar fome, a comer sem dignidade. Nas palafitas do Pina isso é muito visível, com impacto nas crianças, onde a taxa de desnutrição é alta, onde as pessoas vão para rua tentarem conseguir comida, já que não contam com trabalho e moradia dignos. É por isso que nós estamos na localidade tentando mudar a vida dessas pessoas a partir do básico”, explica a jovem. 

Dados do 'Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil', realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), demonstram ainda mais este cenário. Segundo o levantamento, cerca de 19 milhões de brasileiros passaram fome e mais da metade dos domicílios no país enfrentou algum grau de insegurança alimentar nos últimos meses de 2020. Números que são alarmantes. 

Para ajudar a garantir a sobrevivência de famílias pobres da localidade, o projeto conta com suporte e incentivo da Arquidiocese de Olinda e Recife, da Federação Única dos Petroleiros (FUP), do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e demais movimentos sociais. Todos, em publicação feita em rede social, reiteraram o mote da ação afirmando que “Com fome, não há luta e, por isso, seguimos juntos para amenizar o sofrimento de tantas famílias”, declararam. 

Membros de movimentos afirmam que a chegada da cozinha é sinônimo de esperança para a comunidade por estarem acompanhando, de forma concreta, a construção de algo que era distante enquanto medida tomada pelos órgãos públicos e as gestões municipais e estaduais. No momento, a estrutura funciona três vezes por semana garatinho uma refeição ao dia, o almoço.

Leia também: Nutricídio, mas também pode chamar de fome

De acordo com a Pastoral da Juventude Rural de Pernambuco, a meta é garantir as três refeições básicas por dia, de segunda à sexta, mas ainda existem percalços para que o projeto avance. 

“A gente espera que a cozinha possa avançar com a chegada de mais voluntários para ajudarem na produção das marmitas, além de mais doações para darmos continuidade ao projeto. Quanto aos órgãos públicos, esperamos que ação possa fazer enxergar o quão carentes são os moradores da região, que não contam com saneamento, coleta de lixo, saúde e à vacina, por não terem documento e comprovante de residência, por exemplo”, finaliza a representante Duda Vasconcelos. 

Para quem quiser ajudar, informações sobre doações estão disponíveis através do contato:  (81) 99855-3121. Para quem mora na capital ou próximo, os alimentos podem ser recebidos no endereço do ‘Banco Mãe’, localizado na Rua 1º de Março, número 34 (entrada pela rua do Imperador Dom Pedro II, ao lado do Armazém do Campo Recife).

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg