COTIDIANO / Quinta, 05 Agosto 2021 18:33

Após STJ determinar fim de prisão temporária de Paulo Galo, delegado pede prisão preventiva

Em entrevista, advogado do ativista e entregador de aplicativo cita existência de uma manobra para mantê-lo preso

Texto: Juca Guimarães  e Pedro Borges | Edição: Nataly Simões | Imagem: Pedro Borges

Advogado de Paulo galo na porta do 10º DP
Introdução:

Em entrevista, advogado do ativista e entregador de aplicativo cita existência de uma manobra para mantê-lo preso

Texto: Juca Guimarães  e Pedro Borges | Edição: Nataly Simões | Imagem: Pedro Borges

Uma decisão liminar do STJ (Superior Tribunal de Justiça), divulgada na tarde desta quinta-feira (5), determinou a liberdade do ativista Paulo Lima, conhecido como Galo de Luta. Poucas horas depois, o delegado responsável pelo caso, Deglair Barcellos Júnior, pediu a prisão preventiva do entregador de aplicativo. A solicitação foi apoiada pela promotoria e aguarda o decreto de algum juiz. No habeas corpus, o ministro Ribeiro Dantas, do STJ, destacou a ilegalidade da prisão temporária do ativista.

De acordo com o ministro Ribeiro Dantas,  Galo assumiu que praticou o crime, tem residência fixa e emprego, além disso, se apresentou livremente para depor sobre o caso.  A prisão preventiva pode ser decretada quando há a possibilidade do suspeito alterar provas ou até fugir. Por sua vez, a prisão temporária é quando o suspeito fica preso enquanto são colhidas provas do crime.

“Tenho certeza que existe uma manobra para que Galo continue preso. O alvará foi determinado por um ministro do STJ às 13h. É evidente que estão fazendo algo para conseguir a prisão preventiva”, afirma o advogado Jacob Filho, em entrevista concedida à Alma Preta Jornalismo.

Membro do movimento de entregadores antifascistas, Galo estava preso temporariamente desde a semana passada por conta do protesto que ateou fogo na estátua do bandeirante Borba Gato, em Santo Amaro, na Zona Sul de São Paulo, em 24 de julho.

A prisão temporária foi decretada e renovada em função de Galo ser um dos manifestantes e ter organizado o protesto, segundo informações da polícia. A prisão do entregador, de 33 anos, causou polêmica porque uma das justificativas apresentadas pela Justiça é que ele fazia parte e um movimento social antifascista e não teria também revelado nomes de outros participantes do protesto.

Além de Galo, a polícia prendeu também a sua companheira Géssica Barbosa, que não tinha nem ido ao ato. Ela foi liberada no dia 30 de julho.

Leia também:

"Manifestante não pode ser criminalizado por contestar a história”, afirma advogado do Paulo Galo

Polícia prende Galo de Luta por incêndio em estátua de Borba Gato

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS