COTIDIANO / Quarta, 02 Fevereiro 2022 11:03

Aluno da FGV é condenado a pagar R$44 mil em indenização por chamar outro estudante de escravo

Justiça condenou Gustavo Metropolo que tirou uma foto de aluno negro e escreveu “achei esse escravo”; a indenização é por dano moral e material

 

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Reprodução internet

Rosto do aluno Gustavo Metropolo da FGV que chamou estudante negro de escravo
Introdução:

Justiça condenou Gustavo Metropolo que tirou uma foto de aluno negro e escreveu “achei esse escravo”; a indenização é por dano moral e material

 

Autor:

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Reprodução internet

A justiça de São Paulo condenou a uma multa indenizatória no valor de R$44 mil o ex-aluno da FGV (Fundação Getúlio Vargas) que tirou uma foto de um estudante negro e compartilhou em um grupo de Whatsapp com a legenda: “Achei esse escravo aqui no fumódromo! Quem for o dono avisa!”.

A decisão é da juíza Mariella Ferraz de Arruda Pollice Nogueira, da 25ª Vara Cível de São Paulo, e condena o ex-aluno Gustavo Metropolo pelo crime de racismo contra o estudante João Gilberto Pereira Lima. O caso aconteceu no dia 6 de março de 2018 e a decisão da juíza Mariella foi publicada na última terça-feira (1º).

A ação cível contra o estudante foi aberta pelo programa de Justiça Racial do CEERT (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades), organização da sociedade civil que atua contra o racismo e o caso teve grande repercussão midiática na época.

“Vamos recorrer para buscar o aumento do valor indenizatório e, sobretudo, continuar nossa atuação para manter a condenação na justiça criminal por crime de racismo que também obtivemos recentemente em segunda instância”, explica o advogado Daniel Bento Teixeira, diretor executivo do CEERT.

O estudante fotografado soube do crime porque a mensagem foi encaminhada diversas vezes, chegando inclusive a professores da FGV.

Depois da repercussão, Gustavo Metropolo foi suspenso por três meses pela FGV, porém, a família do estudante de Administração conseguiu uma decisão liminar na justiça para que ele retornasse às aulas em maio, o que gerou uma onda de protesto entre os demais estudantes da instituição. Em março de 2021, o aluno foi condenado a prisão por racismo e injúria racial, mas recorreu da sentença.

Desde 2018, Gustavo Metropolo apagou suas redes sociais e não comenta sobre o caso. A Alma Preta Jornalismo tentou entrar em contato com a defesa do ex-aluno da FGV, porém, não teve retorno.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

novageracaoskate.jpg
temclimapraisso8.jpg
flagrapmbahia.jpg
anasanches7.jpg