COTIDIANO / Sexta, 27 Agosto 2021 12:51

Acusada de agredir babá negra já teria vitimado outras funcionárias

Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu investigações para apurar as denúncias contra Melina Esteves França; Quatro babás também relataram agressões e apontaram 

Texto: Redação | Foto: Reprodução/Rede Bahia

Melina Esteves é acusada de agredir babá negra
Introdução:

Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu investigações para apurar as denúncias contra Melina Esteves França; Quatro babás também relataram agressões e apontaram 

Texto: Redação | Foto: Reprodução/Rede Bahia

Melina Esteves França, apontada como a agressora da babá que pulou de um prédio em Salvador, já teria agredido outras funcionárias, conforme relatos obtidos pelo Ministério Público do Trabalho na Bahia (MPT-BA). O caso veio à tona na quarta-feira (26), após Raiana Ribeiro, de 25 anos, pular do terceiro andar de um prédio para escapar das agressões que vinha sofrendo por parte da empregadora.

Em depoimento à Polícia, Raiana contou que tinha apenas sete dias trabalhando como babá no prédio onde Melina mora, localizado em um bairro de classe média de Salvador. A vítima disse que começou a ser agredida depois de comunicar que iria procurar outro emprego e relatou que sofria agressões físicas, como murro e puxões de cabelo, e xingamentos. Além disso, Melina não deixava ela se alimentar direito.

"Começou porque eu falei para ela que não dava mais para mim, que eu ia sair na quarta-feira. Aí ela falou: ‘Vou te mostrar, vagabunda, se você sai’. E aí começou a me agredir”, relatou a jovem.

Outras quatro ex-babás de Melina se apresentaram à Justiça e disseram que também foram agredidas pela empregadora. As vítimas também relatam que até hoje não receberam os salários pelo trabalho.

Uma das vítimas que prestou depoimento, que não quis se identificar, contou que trabalhou por 15 dias na casa de Melina. A babá disse que chegou a ser chamada de "preguiçosa" por estar cansada devido à jornada exaustiva.

"Ela me pegou pelo braço para eu poder brincar com as crianças e falando que minha obrigação era tomar conta das meninas, que eu estava sendo paga para isso", relatou a vítima ao Bahia Meio Dia.

A acusada de agressão, Melina Esteves, prestou depoimento na quinta-feira (26). De óculos escuro, Melina chegou na 9ª Delegacia Territorial da Boca do Rio, que investiga o caso, onde depôs por seis horas. De acordo com o MPT-BA, a acusada disse que a babá Raiane Ribeiro se jogou do basculante do banheiro, onde se trancou depois de se descontrolar e entrar em luta física com ela. Melina também disse que ligou para a Central de Polícia minutos antes da queda para informar a situação.

Ainda conforme o MPT-BA, a Superintendência Regional do Trabalho da Bahia (SRT-BA) também foi acionada para analisar as provas das denúncias, como as imagens das câmeras de segurança do prédio e os depoimentos das outras ex-funcionárias.

Caso seja denunciada, Melina Esteves pode responder por cárcere privado e trabalho análogo à escravidão.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg