×

Aviso

JFolder: :files: caminho não é um diretório. Caminho: /opt/bitnami/apache/htdocs/images/Fora Bolsonaro Salvador
×

Observação

There was a problem rendering your image gallery. Please make sure that the folder you are using in the Simple Image Gallery Pro plugin tags exists and contains valid image files. The plugin could not locate the folder: images/Fora Bolsonaro Salvador
COTIDIANO / Terça, 07 Setembro 2021 15:30

‘A morte é o projeto desse governo’, diz deputada em protesto de Salvador

“Vacina, pão, saúde e educação” foi um dos pedidos das lideranças indígenas, frentes sindicais e movimentos sociais presentes no ato contra Bolsonaro neste 7 de setembro na capital baiana

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Foto: Iago Augusto/Alma Preta Jornalismo

Imagem mostra criança negra com máscara de proteção à Covid. Atrás há uma bandeira com a palavra democracia escrita
Introdução:

“Vacina, pão, saúde e educação” foi um dos pedidos das lideranças indígenas, frentes sindicais e movimentos sociais presentes no ato contra Bolsonaro neste 7 de setembro na capital baiana

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Foto: Iago Augusto/Alma Preta Jornalismo

“Vacina, pão, saúde e educação”, esse foi um dos gritos que levou manifestantes, frentes sindicais e movimentos sociais às ruas de Salvador, na Bahia, para o protesto Fora Bolsonaro nesta terça-feira (7), data que marca o Dia da Independência do Brasil. Faixas e cartazes pediam o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em meio ao descaso e as denúncias de corrupção do governo na pandemia, além das ameaças antidemocráticas, como o pedido de fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e intimidações a ministros da Corte.

Lideranças indígenas também protestaram em defesa da proteção das terras dos povos originários e contra a votação do Marco Temporal, em discussão no STF, que estabelece que a reivindicação das demarcações de terras só podem ser feitas antes da data da promulgação da Constituição de 1988.

"Nós somos contra a lei que ataca os povos indígenas, contra o desmatamento da Amazônia, contra a demarcação do nosso território. Faço um pedido que não destruam a nossa natureza", exclamou Jacarandá, líder indígena do povo Tupinambá de Olivença, no sul da Bahia, território que tem sido alvo recorrente de ameaças e ataques de empresários ligados à especulação imobiliária.

Carregando uma faixa com a frase "Fora Bolsonaro", o coordenador do Coletivo de Entidades Negras (Conen), Gilberto Leal, relembrou a importante atuação da comunidade negra na independência da Bahia e do Brasil e pediu uma reflexão da população diante do atual governo.

"É um ato de cidadania, mas é um momento de reflexão da população negra entender que não pode entrar um outro golpe bolsonarista. Estamos lutando para que a maioria desse país seja respeitada", disse Leal.

{gallery}Fora Bolsonaro Salvador{/gallery}

"A morte como projeto"

Lideranças políticas também se uniram às vozes do "Grito dos Excluídos e Excluídas", conjunto de manifestações que denuncia os mecanismos de exclusão social e propõe alternativas para discussões inclusivas.

Defensora dos direitos da população negra, a deputada estadual Olívia Santana (PCdoB) classificou o protesto como a "afirmação da democracia" e fez críticas às recentes denúncias de medicamentos e insumos médicos, como vacinas e testes da Covid-19, que passaram da validade na gestão Bolsonaro.

"É um governo que tem a morte como projeto. Nós não podemos nem dizer que é um governo incopetente porque ele é muito competente naquilo que ele se propõe a fazer: um projeto de destruição, principalmente, dos mais pobres", pontuou a deputada.

olivia santana inside"Bolsonaro é a contramão dos direitos consagrados na Constituição", disse a deputada estadual Olívia Santana | Foto: Iago Augusto/Alma Preta Jornalismo

Também pelo grito dos excluídos, padres franciscanos se manifestaram com imagens de líderes pacifistas e pediram pela paz mundial. "Esse grito é para dar vez e voz àqueles que não tem vez e voz. Nesse dia, que é o dia da pátria, nós lembramos dos esquecidos da pátria. Particularmente nesse ano - além de todos os excluídos da sociedade civil, os negros, a comunidade LGBT, os indígenas e com a população brasileira que sofre com o atual desgoverno - o excluído em todo o mundo também é a paz. O grito dos excluídos também é o grito da paz, é uma luta pacífica pela paz", ponderou o Frei cearense Mateus Antony, da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil.

Leia também: Com poucos negros, bolsonaristas fazem ato anti-democracia

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg