COTIDIANO / Sábado, 20 Novembro 2021 18:23

50 anos de Consciência Negra: Marcha em SP une movimentos antirracistas e de cultura

A data é celebrada no Brasil desde 1971 e em 2011 foi sancionada uma lei que homenageia Zumbi dos Palmares; Marcha na capital paulista teve apresentações culturais e vítimas da pandemia foram lembradas

Texto: Pedro Borges e Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Yago Rodrigues

Imagem mostra duas mulheres negras na Marcha da Consciência Negra, em São Paulo
Introdução:

A data é celebrada no Brasil desde 1971 e em 2011 foi sancionada uma lei que homenageia Zumbi dos Palmares; Marcha na capital paulista teve apresentações culturais e vítimas da pandemia foram lembradas

Texto: Pedro Borges e Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Yago Rodrigues

Integrantes da ala das baianas e da bateria da escola de samba Unidos da Peruche participaram da Marcha da Consciência Negra, na avenida Paulista, região central de São Paulo, neste sábado (20). A marcação forte do surdo ecoou por um dos centros financeiros e cartão-postal da capital paulista para lembrar a importância da luta antirracista.

Essa foi a 18ª marcha da Consciência Negra na cidade de São Paulo e a data de 20 de Novembro é comemorada há 50 anos no país. Porto Alegre (RS) foi a primeira cidade a celebrar o dia Zumbi dos Palmares em contraponto ao 13 de Maio, data da abolição inconclusa do período de 388 anos de escravidão no Brasil.

A concentração da marcha começou por volta do meio-dia e às 15h teve início as manifestações religiosas de matriz africana. O bloco afro Ilú Oba de Mim, que exalta a cultura negra e é formado exclusivamente por mulheres, fez uma performance com exaltação ao orixá Esú.

Durante a caminhada que saiu do MASP (Museu de Arte de São Paulo), manifestantes levaram cartazes lembrando que no Brasil mais de 600 mil pessoas morreram por conta da pandemia da Covid-19 e exigindo a saída do presidente Jair Bolsonaro.

Foto: Yago RodriguesMarcha da Consciência Negra em São Paulo lembra as vítimas da Covid-19. | Foto: Yago Rodrigues

“Ocupar as ruas no dia 20 de novembro é relembrar que a gente ainda precisa lutar diariamente contra a política de morte que mira os corpos negros. É trazer os aliados para pensar conjuntamente políticas e formas de ação de resistência ao racismo”, diz a advogada Sheila Carvalho, que integra a Coalizão Negra por Direitos.

Representantes do movimento “SP é Solo Preto e Indígena”, que luta contra o apagamento da contribuições históricas dos negros e dos povos originários na capital paulista, com a Liberdade, Bela Vista e o Bixiga também participaram do ato que termina no Teatro Municipal para relembrar o local onde foi fundado o MNU (Movimento Negro Unificado), em 1978.

A manifestação reuniu aproximadamente 10 mil pessoas e contou também com a participação de muitas famílias e pessoas brancas apoiadoras os protestos contra o genocídio da população negra. “Os brancos tiveram um papel nesta história e agora eles devem participar da solução dos problemas que atingem as pessoas negras”, pondera Sheila.

A Alma Preta Jornalismo acompanhou a marcha e constatou que o policiamento na região foi reforçado, mas não houve incidentes. O avanço da vacinação contra a Covid-19 em São Paulo, onde toda a população acima de 18 anos já tomou pelo menos a primeira dose, contribuiu para que mais pessoas pudessem participar dos protestos.

“Com essa retomada das atividades presenciais é importante a gente se reunir, se ver um no outro e passar uma mensagem política de união”, afirma a advogada Júlia Drummond. Segundo a jurista, o volume dos atos de 20 de novembro em todo o país demonstra o tamanho da “revolta e das reivindicações pela vida do povo negro”.

Zumbi e o 20 de Novembro

Zumbi dos Palmares foi o líder político do Quilombo dos Palmares, na serra da Barriga, atual estado de Sergipe, que chegou a ter uma população de 20 a 25 mil homens e mulheres livres. Ele foi assassinado em 20 de novembro de 1695, e em 2011 a ex-presidente Dilma Rousseff sancionou uma lei que estabelece a data como o Dia Nacional da Consciência Negra.

“Essa data lembra a morte de Zumbi e a resistência negra que é quilombola, é ribeirinha e, principalmente, periférica”, destaca Lourival Aguiar, articulador da bancada Feminista (PSOL), mandato coletivo da Câmara dos Vereadores de São Paulo.

Ao longo de toda a marcha foram notadas faixas e cartazes de diversas entidades de movimentos sociai e representações de partidos de esquerda como:C onvergência Negra, Ação e Diálogo do PT, RUA, CMP, PCO, Círculo Palmarino, Adunifesp, SlamSP, Terreiro Resiste, SP Solo Preto, Intecab-SP, Conaq, Unegro, UneAfro, Conen, MNU, Afronte, Coalizão Negra por Direitos e Frente Nacional Antirracista.

Leia também: Primeira Marcha da Consciência Negra do Recife ecoa insatisfação com Bolsonaro

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg