COTIDIANO / Segunda, 21 Junho 2021 12:24

191 anos de Luiz Gama: por que um abolicionista é exaltado pela direita?

Advogado, jornalista e poeta, Luiz Gama morreu seis anos antes da abolição e conseguiu resgatar a liberdade de mais de 500 pessoas escravizadas

Texto: Juca Guimarães | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Juca Guimarães 

busto de Luiz Gama na praça do largo do Arouche em São Paulo
Introdução:

Advogado, jornalista e poeta, Luiz Gama morreu seis anos antes da abolição e conseguiu resgatar a liberdade de mais de 500 pessoas escravizadas

Texto: Juca Guimarães | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Juca Guimarães 

O advogado e jornalista Luiz Gama, nascido em 21 de junho de 1830, na cidade de Salvador, é um símbolo da luta contra a escravidão e a exploração da população negra no Brasil. Desde os 17 anos de idade, começando por ele mesmo, Gama conseguiu libertar mais de 500 pessoas escravizadas, mantidas ilegalmente nessas condições. Ele também foi um abolicionista e republicano.

O lema de Gama era “por uma terra sem reis e sem escravos”. Apesar de ter a sua história pouco reconhecida, o abolicionista é inspiração para as reflexões do movimento negro organizado. Ao mesmo tempo, é uma figura histórica muito citada pela direita mais conservadora como um antagonista à luta de Zumbi dos Palmares. No último 13 de maio, por exemplo, o deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ) encerrou seu discurso exaltando alguns personagens históricos: “Viva Princesa Isabel! Viva Rebouças! Viva Luiz Gama! Viva Maria Firmina!”. A Fundação Palmares, presidida por Sérgio Camargo, replicou a fala do parlamentar. 

“O resgate da história de Luiz Gama pelos reacionários é pela metade. Eles não falam a fundo sobre ele, que sempre foi um progressista. Por exemplo, ele dizia que um escravizado que mata o seu senhor está praticando um ato de legítima defesa”, lembra o advogado Irapuã Santana, da ONG Educafro e mestre pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Santana relembra que, historicamente, o abolicionista nunca se alinhou com conservadores e senhores de escravos. “Gama era do partido Liberal, porém, de uma ala mais radical e isso não se alinha com os atuais reacionários do Brasil. Eles usam Luiz Gama como símbolo ou por má-fé ou por não conhecer a história”, diz o advogado, que ainda comenta que os movimentos de esquerda no Brasil nunca deram a devida relevância ao seu legado.

Nesse sentido, a guia de turismo Débora Pinheiro, da agência Black Bird Viagens, acrescenta que ainda que Luiz Gama tenha uma história muito interessante, por conta do racismo estrutural é pouco conhecida a fundo.

“Existe um apagamento histórico das personalidades negras. Luiz Gama é um herói, com realizações incríveis, que deveria ser estudado nas escolas. Ele foi jornalista, advogado e lutou pela República. Ele libertou mais de 500 pessoas escravizadas. Há um movimento no legislativo paulista para que se troque o nome da rodovia Anhanguera, que foi um bandeirante, por Luiz Gama”, avalia a guia de turismo.

No dia 29 de junho, o Conselho da USP (Universidade de São Paulo) vai definir se será concedido a Luiz Gama o título póstumo de doutor honoris causa. O pedido foi apresentado pela ECA (Escola de Comunicação e Artes) e tem uma abaixo-assinado na internet em apoio ao título. Gama também foi poeta e escreveu o livro “Primeiras trovas burlescas”, além de ter participado da criação dos jornais Diabo Coxo e Cabrião.

“Se estivesse aqui, hoje, ele seria, sem dúvida, o pesadelo deles, nos tribunais e na imprensa”, considera o escritor Oswaldo Faustino, autor do livro ficcional infanto juvenil “A Luz de Luiz - por uma terra sem reis e sem escravos”.

Em 2015, foi reconhecido simbolicamente como advogado pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e, em 2018, recebeu uma homenagem, com foto e placa, na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo (SJSP).

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg