Recife sedia 1ª Conferência Pernambucana de Produções Culturais Negras

Com abertura marca para a noite de hoje (22), evento segue com rodas de conversa e simpósios sobre os desdobramentos produção cultural negra até a próxima sexta-feira; Pré-inscrições estão abertas e podem ser feitas gratuitamente 

Texto: Redação / Edição: Lenne Ferreira / Imagem: Divulgação

Introdução:

Com abertura marca para a noite de hoje (22), evento segue com rodas de conversa e simpósios sobre os desdobramentos produção cultural negra até a próxima sexta-feira; Pré-inscrições estão abertas e podem ser feitas gratuitamente 

Texto: Redação / Edição: Lenne Ferreira / Imagem: Divulgação

Recife sediará, mesmo que digitalmente, a 1ª Conferência Pernambucana de Produções Culturais Negras (I COPECUNE). Fruto da parceria entre o coletivo Mandume Cultural é o Museu da Abolição - centro de referência da cultura afro-brasileira criado em 1957 -, a ação tem seu primeiro dia de programação na noite de hoje (22), e segue até a próxima sexta-feira (26).  Como pauta do evento, temáticas ligadas à vivência da negritude nordestina e suas memórias com foco nas produções artísticas culturais. 

O evento constitui um marco nos estudos étnicos-raciais em Pernambuco, reunindo pessoas negras, principalmente pernambucanas, para participar, discutir e deliberar sobre os rumos das produções culturais negras nas periferias, centros culturais e no âmbito acadêmico. Nomes como o fotógrafo Rennan Peixe, o artista e produtor cultural, Carbonel, a Doutora em História Política pela UERJ e co-fundadora do Coletivo Acadêmicas dos Sambas, Angélica Ferraz, e  a professora e doutora do departamento de História da UFPE, Luiza Reis, estão confirmados como integrantes do evento. 

Na grade do evento, cursos de formação e simpósios, todos gratuitos, mas que pedem uma pré-inscrição para o controle da quantidade máxima de participantes por sala na plataforma de vídeo onde será exibida a conferência. Os curadores do evento, a graduanda em História pela UFPE Isabelle Ferreira e o comunicador social Wellington Silva, ambos agentes culturais, também ministrarão um curso dedicado às ferramentas necessárias e os melhores meios para uma montagem de projeto para além dos editais. 

Wellington Silva cona que a motivação para fazer a 1° Copecune nasceu da experiência como estagiário de comunicação no Museu da Abolição, entre 2018 e 2020,  quando percebeu que muita gente falava de produção cultural negra, mas poucas pessoas estavam dispostas a pensar formas específicas de valorização dessas produções. "Foi a partir desta reflexão e da parceria que estabeleci com Isabelle Ferreira, também produtora cultural, que nasceu a ideia de pensar em uma conferência com esse recorte l. Algo que trouxesse um olhar mais atento diante da experiência que pessoas negras têm de pensar, criar e ressignificar processos culturais e artísticos, utilizando-se de memórias afetivas, ancestrais, territoriais, corporais e outras", diz.

A Conferência será exibida no canal do YouTube do Museu da Abolição e tem como apoio o Concurso Formação e Pesquisa – LAB PE, da Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco – SECULT-PE, uma iniciativa do fundo de apoio à cultura Aldir Blanc. 

Confira detalhadamente as temáticas, os horários e por quem será ministrada cada ação: 

Oficinas 

“O escoamento da produção cultural e intelectual negra dentro e fora da academia” (22/02 às 19h) - Com participação de Angélica Ferraz e Nathalia Grilo

“Montagem de projetos para além dos editais” (24/02 às 19h) - Com participação de Isabelle Ferreira, Larissa Santigo e Wellington Silva

“Produção cultural negra-pernambucana nas encruzilhadas do tempo” (26/02 às 19h) - Com participação de Carbonel e Lúcia dos Prazeres

Simpósios: 

Artes Visuais (22/02 às 14h) - Organizado por Rennan Peixe

Audiovisual (23/02 às 14h) - Organizado por Éthel Oliveira

Estudos Históricos e Culturais da População Negra (24/02 às 14h) - Organizado por Luiza Reis

Para mais informações ou tirar dúvidas sobre o evento, acesse o link

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!