AGENDA / Sexta, 26 Novembro 2021 14:28

No litoral de PE, festival de surf destaca presença feminina e negra no esporte

Em sua 5ª edição, o 'TPM (Todas Para O Mar) Surf Festival' traz campeonato e programação completa dedicada às mulheres na Praia de Maracaípe; evento começa nesta sexta e segue até o próximo domingo (28)

Texto: Victor Lacerda | Edição: Lenne Ferreira I Imagens: Reprodução/Instagram

No litoral de PE, festival de surf destaca presença feminina e negra no esporte
Introdução:

Em sua 5ª edição, o 'TPM (Todas Para O Mar) Surf Festival' traz campeonato e programação completa dedicada às mulheres na Praia de Maracaípe; evento começa nesta sexta e segue até o próximo domingo (28)

Texto: Victor Lacerda | Edição: Lenne Ferreira I Imagens: Reprodução/Instagram

Começa nesta sexta-feira (26), e vai até domingo (28), a 5ª edição do ‘TPM (Todas Para O Mar) Surf Festival’, na praia de Maracaípe, a aproximadamente 60km do Recife. O festival, que tem como objetivo promover e dar a devida visibilidade a inserção feminina na modalidade, marca o o encerramento do mês da Consciência Negra. Entre as pautas, o evento traz à tona um debate importante sobre a dimensão da invisibilidade e necessidade de equidade no esporte. 

De acordo com a organização em apresentação do festival, o surf no país evidencia uma forte desigualdade econômica, por ser um esporte caro, seus equipamentos não acompanham a realidade socioeconômica da maioria dos praticantes. 

Ainda de acordo com a Associação Brasileira de Surf Profissional (ABRASP), atualmente o país possui 219 atletas profissionais na categoria masculina, enquanto na categoria feminina há somente 30, onde apenas 3 se autodeclaram negras. Tal dado se evidencia no ranking mundial, onde não há surfista negra na categoria ‘elite mundial’, bem como presente nas Olimpíadas deste ano. Atletas ainda destacam a falta de respeito com seus corpos, que são objetificados durante demais eventos com superior masculina.

Leia também: Pentacampeã, baliza negra e trans garante sustento em vias públicas do Recife

oie FQ7TDNyS93AC

Surfista, articuladora social e feminista pernambucana, Nuala Costa é a idealizadora do festival

A idealização do festival fica por conta da surfista, articuladora social e feminista negra  pernambucana Nuala Costa. Tendo como título de primeira surfista a representar o seu estado no circuito brasileiro, hoje, fomenta o esporte através do projeto homônimo do evento. Entre os pilares da ação, definidos por Nuala, estão empoderamento, geração de renda, inclusão social e equidade de gênero. 

Na programação do festival, além do campeonato com direito à premiação, rodas de conversa, oficinas, debates e muita música. Para mais informações sobre o evento, acesse o link

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg