AGENDA / Terça, 14 Dezembro 2021 15:21

Em Brasília, Festa das Yabás celebra o feminino nas culturas de terreiro

Festejo anual promovido pelo Instituto Rosa dos Ventos homenageia entidades ancestrais femininas na Praça dos Orixás

Texto: Thaís Rodrigues | Edição: Nataly Simões | Imagem: Rosa dos Ventos/Divulgação

Mãe de Santo, representante das culturas de matriz africana, em Festa das Yabás
Introdução:

Festejo anual promovido pelo Instituto Rosa dos Ventos homenageia entidades ancestrais femininas na Praça dos Orixás

Autor:

Texto: Thaís Rodrigues | Edição: Nataly Simões | Imagem: Rosa dos Ventos/Divulgação

A Festa das Yabás, que promove honrarias ao feminino nas culturas tradicionais de terreiro, acontece no dia 18 de dezembro, a partir das 8h, na Praça dos Orixás, localizada no Setor de Clubes Esportivos Sul, em Brasília (DF).

O festejo traz a história e homenageia as entidades Iansã, a deusa dos raios, das chuvas e das tempestades; Oxum, a dona das águas doces; Nanã, senhora das águas paradas e do barro; Ewá, guerreira e valente caçadora das matas; Obá, representante das águas revoltas dos rios e Iemanjá, rainha dos mares.

O evento faz parte do calendário anual de ocupação da Praça dos Orixás. Há razões relativas à simbologia ancestral, mas também de cunho político-social para que a festa aconteça naquele local.

“A praça é um ponto cultural que, ainda hoje, sofre com atos depredatórios de racismo e de discriminação religiosa. Daí, a importância de promovê-lo, bem como de trabalhar em sua preservação e restauração” conta Stéffanie Oliveira, presidente da Rosa dos Ventos, instituto que pesquisa e fomenta a cultura afro-brasileira na capital federal. 

Desde o último ataque, em agosto, a imagem de Ogum ainda não foi reconstruída. A Inauguração do espaço, com 16 orixás, ocorreu em 2000. Desde então, ataques às figuras são comuns. No ano-novo de 2015, vândalos incendiaram imagem de Oxalá. 

De acordo com a organização, a Festa das Yabás também é um espaço propício para enaltecer a importância da mulher. A proposta visa movimentar o cenário das tradições ancestrais em Brasília, oriundas da diáspora africana, apresentando saberes que bebem dessa fonte. 

“Trata-se de espaço de convergência da identidade cultural brasileira, cuja importância já foi reconhecida pelo título de Patrimônio Imaterial do Distrito Federal”, explica Stéffanie.

A celebração acontece com uma programação cultural diversificada e aberta ao público. Na ocasião, haverá shows, feiras e oficinas. Apresentações de Teresa Lopes, Orquestra Alada Trovão da Mata, Bando Matilha; Roda de Samba, Rodas das Nações Ketu, Jeje, Nagô, Angola, Umbanda e Tereco; Oferendas para Preservação Ambiental; Feira Gastronômica; Feira de Artesanato Afro e Espaço Erê com programação cultural infantil.

Mãe Rubia de Oxum, yakekere do Ilê Axé Oyá Bagan, revela sua alegria diante da riqueza do projeto. “Fico feliz em participar dessa festa. É um evento realmente poderoso, pleno de axé e energia feminina transformadora. Nós ajudamos a combater a intolerância religiosa e preservar essas culturas”.

Leia também: 'Semana do Audiovisual Negro' abre inscrições para filmes produzidos por negros e povos tradicionais

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

aartedecozinhar.jpg
boletim44.jpg
umoja.jpg
boletim43.jpg