ÁFRICA & DIáSPORA / Quinta, 16 Agosto 2018 14:56

Rainha do soul, Aretha Franklin morre aos 76 anos

A rainha do soul falece após 8 anos de diagnóstico de câncer de pâncreas

Texto / Beatriz Mazzei
Imagem / Matt Rourke/AP

A cantora afro-americana Aretha Franklin morreu nesta quinta-feira, 16, deixando um milhares de fãs e uma carreira estrelada na música negra dos EUA.

Conhecida por sucessos como Respect e Say A Little Prayer, que embalaram a cena musical dos anos 60, Aretha foi diagnosticada com câncer de pâncreas em 2010 e vinha reduzindo sua agenda de shows desde 2017, quando anunciou sua aposentadoria para cuidar da saúde.

Sua última apresentação foi no aniversário de 25 anos da Elton John AIDS Foundation em novembro do passado. Por conta das complicações de saúde, teve que cancelar duas apresentações esse ano em Newark e no festival de jazz de Nova Orleans.

Com 18 prêmios Grammy recebidos durante a carreira, Aretha foi a primeira mulher a entrar para o cobiçado Rock & Roll Hall of Fame, em 1987. Como outro grande marco profissional e pessoal, em 2009, a rainha do soul emprestou sua voz para a cerimônia de pose do presidente Barack Obama, figura que tinha sua admiração como ativista dos direitos civis da população negra.

Aretha Louise Franklin nasceu em março de 1942 no Tennessee. Mudou-se para o norte dos EUA com sua família na época do processo de industrialização da região. Filha de Clarence LaVaughn Franklin, um pastor reconhecido, começou a cantar no coral da igreja batista e iniciou sua carreira na adolescência como uma estrela gospel.

Em menos de uma década, Aretha avançou na música tornando-se um grande nome do R&B e soul, ritmos de referência na música afro-americana que misturam o gospel com a música popular. Seus sucessos marcam a era de ouro da música dos EUA e embalaram a geração dos anos 60.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg