ÁFRICA & DIáSPORA / Terça, 23 Junho 2020 13:25

Pastores da Igreja Universal de Angola acusam direção brasileira de racismo e abuso de poder

Líderes angolanos romperam com a igreja do bispo e empresário Edir Macedo; há acusações de vasectomia imposta a pastores e mulheres dos religiosos estariam sendo obrigadas a abortar

Texto: Guilherme Soares Dias | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução

Um grupo de bispos e pastores da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola assumiu o controle de 35 templos da instituição em Luanda e cerca de 50 em outras províncias do país, como Lunda-Norte, Huambo, Benguela, Malanje e Cafunfo. A informação é da BBC Brasil.

Os bispos e pastores angolanos acusam a direção brasileira da igreja de evasão de divisas, expatriação ilícita de capital, racismo, discriminação, abuso de autoridade, imposição da prática de vasectomia aos pastores e intromissão na vida conjugal dos religiosos.

De acordo com a agência de notícias britânica, eles reclamam ainda de privilégios dados aos bispos brasileiros e pediam uma maior valorização do episcopado angolano.

A Universal é liderada pelo bispo e empresário brasileiro Edir Macedo e está presente em mais de 95 países, com cerca de 10 mil templos. Em Angola são cerca de 500 mil fiéis.

A ruptura declarada pelos religiosos angolanos é um movimento sem precedentes, que começou em novembro de 2019, com a divulgação de um manifesto com críticas à direção brasileira da igreja. Por lá, o controle será assumido pelo bispo Valente Bezerra Luiz, que era vice-presidente da igreja no país e passará a ser chamada de Igreja Universal de Angola. Os dissidentes dizem já ter o comando de 42% dos templos.

Segundo a nota, o bispo Honorilton Gonçalves, principal líder da igreja no país e ex-vice-presidente da TV Record, estaria perseguindo, punindo e intimidando bispos e pastores angolanos. Além da vasectomia imposta a pastores, mulheres dos religiosos estariam sendo obrigadas a abortar.

Até o momento, a direção brasileira da Universal não se posicionou e, procurada pela BBC Brasil, não respondeu aos pedidos de entrevista.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg