sábado, 8 de maio de 2021 ÁFRICA & DIáSPORA /

Passos lentos: Menos de 2% da população do continente africano está vacinada

Falta de recursos para adquirir opções diferentes de imunizantes deixa países da África sem opções e em situação muito desigual a de continentes economicamente mais desenvolvidos 

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução/The Wall Street Journal

A imagem mostra um homem negro do continente africano sendo vacinado contra a Covid-19 por um profissional da saúde
Introdução:

Falta de recursos para adquirir opções diferentes de imunizantes deixa países da África sem opções e em situação muito desigual a de continentes economicamente mais desenvolvidos 

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução/The Wall Street Journal

Informações da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que das, em média, 550 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 aplicadas na população mundial, menos de 2% foram no continente africano. A porcentagem abrange o período de imunização global até abril e representa cerca de 11 milhões de doses destinadas à África.

Contudo, de todos os continentes, o africano é o menos afetado pela pandemia de coronavírus. Com 4,3 milhões de casos, a OMS contabiliza 114 mil mortes, levando em consideração uma população de 1,2 bilhão de habitantes contra 2,9 milhões de mortes em escala mundial.

 

Do total de 54 países africanos, 45 já iniciaram a vacinação e 36 só puderam começá-la com o auxílio da iniciativa global Covax, da OMS. A ação visa a distribuição de maneira mais igualitária das vacinas no continente. Na África, a maioria das vacinas administradas pertencem ao laboratório AstraZeneca, pelo valor de custo baixo e pela facilidade de armazenamento.

Leia também: Por que países africanos enfrentam dificuldades para acessar a vacina contra Covid-19?

Segundo um estudo da coalizão de organizações e ativistas chamada The People's Vaccine Alliance, as nações ricas, que representam apenas 14% da população mundial, adquiriram mais da metade (53%) de todas as vacinas mais promissoras. Esse dado inclui todas as vacinas da Moderna para 2021 e 96% da produção esperada da Pfizer.

O Canadá liderou a lista, de acordo com os dados da empresa de análises Airfinity, com doses suficientes para vacinar cada canadense cinco vezes.

Falta de vacinas e de opções para a África

Mesmo o continente africano sendo o menos afetado pela pandemia, na comparação com os outros, faltam vacinas em todo território africano e o atraso na distribuição é de 20%. Uma pesquisa do Centro Africano de Controle e Prevenção de Doenças (CDC África) mostra que as vacinas entregues através da Covax não são suficientes para acabar com a pandemia no continente.

O exemplo que a pesquisa cita é o do Quênia, que só conseguiu obter um milhão de vacinas, em média, quando o programa Covax havia determinado distribuição inicial de 1,5 milhões de doses. O quantitativo cedido ao Quênia não supre nem a vacinação prioritária de professores e trabalhadores de saúde. 

O estudo ainda aponta que existem países mais avançados do que a média e que já vacinaram mais de 2% de suas populações. Ruanda, Senegal e Gana estão entre eles. Os demais países da África começaram a campanha de imunização de maneira mais lenta e atualmente contam com cerca de 1% da população imunizada.

O único país do continente que interrompeu o uso da AstraZeneca foi a África do Sul. O CDC África afirma que devido aos casos raros de surgimento de coágulos sanguíneos em alguns pacientes após a aplicação da AstraZeneca, outros países, com condição de investir em fabricantes com valor de custo mais alto, optaram por deixar a vacina anglo-sueca de lado. Em todo continente africano isso é impossível.

"Os países ricos rejeitam as vacinas da AstraZeneca e da Johnson & Johnson, por exemplo, pois eles têm alternativas. Estas vacinas acabam na África porquê a maioria dos países não tem outra escolha", comenta uma das autoras do estudo, a epidemiologista Catherine Kyobutungi, nas considerações do artigo.

Apoie jornalismo preto e livre!

O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos  equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

 

VÍDEOS