ÁFRICA & DIáSPORA / Sexta, 30 Abril 2021 13:49

Entenda o que levou a Angola a proibir o sinal da Record TV

Administrada pela Igreja Universal do Reino de Deus, a emissora estava no ar desde 2011; no ano passado, pastores angolanos denunciaram a direção brasileira e o presidente Bolsonaro interferiu

Texto: Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Imagem: IURD Angola

Em frente à uma sede da Igreja Universal, dois homens seguram a bandeira de angola
Introdução:

Administrada pela Igreja Universal do Reino de Deus, a emissora estava no ar desde 2011; no ano passado, pastores angolanos denunciaram a direção brasileira e o presidente Bolsonaro interferiu

Texto: Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Imagem: IURD Angola

O governo da Angola tirou do ar o sinal da Record TV no país em razão de o veículo exercer atividade jornalística sem credenciamento Centro de Imprensa Aníbal de Melo, que fiscaliza o cumprimento das leis entre instituições públicas e privadas. A medida também tirou do ar dois outros canais, Zap Viva e Vida TV.

O anúncio foi feito pelo Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS) na última semana. 

Entre as inconformidades apontadas pelo ministério, estava a presença de estrangeiros no quadro de colaboradores da emissora.  Fora do ar desde o dia 21 de abril, a Record TV África se manifestou através das redes sociais pela volta do sinal de transmissão do canal. Em nota publicada no Facebook, a empresa anunciou a saída do brasileiro Fernando Henrique Teixeira do cargo de direção. "A Record orgulha-se de admitir, formar e lançar no mercado jovens profissionais angolanos, reconhecidas no mercado nacional e internacional", afirma.

Depois das acusações, a Record TV, que é vinculada à Igreja Universal do Reino de Deus, do empresário Edir Macedo, se posicionou fortemente contra o governo angolano. A emissora acusa o governo de xenofobia contra os religiosos brasileiros. O Sindicato de Jornalistas da Angola também se posicionou contra a decisão, chamada de "tentativa de silenciaento" pelo presidente da entidade, Teixeira Cândido, que avalia o governo como incompetente na declaração da suspensão.

Sem autorização para transmitir programas de rádio ou programas pela internet, a Record TV continua fora do ar na Angola, mesmo depois de comunicar alteração do quadro de funcionários. A comunicação é mantida com o público através da página da emissora no Facebook e do LinkedIn.

Denúncias envolvendo pastores da Igreja Universal

Um grupo de bispos e pastores da Igreja Universal do Reino de Deus na Angola assumiu em 2020 o controle de 35 templos da instituição em Luanda e cerca de 50 em outras províncias do país, como Lunda-Norte, Huambo, Benguela, Malanje e Cafunfo. Os bispos e pastores angolanos acusam a direção brasileira da igreja de evasão de divisas, expatriação ilícita de capital, racismo, discriminação, abuso de autoridade, imposição da prática de vasectomia aos pastores e intromissão na vida conjugal dos religiosos.

Aliado a nomes importantes dentro da Igreja Universal, como o bispo licenciado Marcos Pereira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) entrou em contato com o Serviço de Investigação Criminal da Angola após o anúncio do início de uma ação de busca e apreensão contra pastores em todo o país angolano. O pedido foi feito através de uma carta enviada pelo governo brasileiro ao então presidente João Manuel Lourenço.

Leia também:

Na época, a carta foi publicada no Twitter do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O parlamentar disse através da rede social que as "agressões contra pastores angolanos e brasileiros da Igreja Universal" geram preocupação e relembrou que confia nas leis aplicadas no país africano e no respeito à liberdade religiosa. A igreja universal possui cerca de 500 pastores em Angola, sendo 65 brasileiros.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS