Após deixar Brasil, Ford anuncia investimento de 1 bilhão de dólares na África do Sul

Montadora, que fechou suas fábricas no território brasileiro, possui uma capacidade de fabricação de 168 mil veículos no país sul-africano e pretende ampliá-la para 200 mil

Texto: Redação | Edição: Nataly Simões | Imagem: Foto de Julissa Helmuth no Pexels

Pouco depois de informar publicamente que deixará de fabricar veículos no Brasil, a montadora norte-americana Ford anunciou nesta semana que vai investir US$ 1 bilhão em operações de produção na África do Sul. O dinheiro será usado para a ampliação da fabricação da picape Ranger.

Atualmente, a montadora possui uma capacidade de fabricação de 168 mil veículos no país sul-africano e pretende ampliá-la para 200 mil. "É o maior investimento nos 97 anos da Ford na África do Sul e um dos maiores já realizados na indústria automotiva local", disse a diretora de operações Andrea Cavallaro, do grupo de mercados internacionais da montadora.

De acordo com informações da Agência Reuters, o investimento anunciado pela Ford reforça o grupo de montadoras globais que buscam ampliar a produção no continente africano - formado também pela Volkswagen, Toyota e Nissan.

No caso da Ford, aproximadamente um terço de sua produção local é vendida na África do Sul e outros mercados da África Subsaariana.

Ainda segundo a Reuters, o país sul-africano possui ambições para o setor automotivo e quer inseri-lo no centro de sua estratégia de recuperação econômica e de redução do desemprego. A meta é mais do que dobrar a produção anual da indústria automotiva para 1,4 milhão de veículos até 2035 e elevar a participação de autopeças nacionais em 21%.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!