Após pressão do movimento negro, deputados derrubam partes do pacote de Moro

Organizações do movimento negro denunciaram medida à Comissão Interamericana de Direitos Humanos em fevereiro; Pacote ainda deve sofrer alterações durante a tramitação no Congresso Nacional

 Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges | Imagem / Lula Marques

O grupo de trabalho da Câmara dos Deputados, responsável por analisar o pacote de segurança pública apresentado pelo ministro Sérgio Moro, derrubou pontos importantes do texto do projeto na última terça-feira, 6 de agosto. Entre as medidas retiradas da proposta, destaque para o plea bargain.

O plea bargain consiste na formulação de um acordo entre o Ministério Público, o acusado e o júri, sem a submissão de um processo penal. Esse ponto é criticado pelo movimento negro por se tratar de uma política que pode aumentar o encarceramento de jovens negros em um judiciário descrito por pesquisadores como racialmente seletivo.

A medida levou a Coalizão Negra por Direitos a denunciar o pacote de segurança pública à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em Kingston, na Jamaica. A denúncia feita em fevereiro recebeu apoio de entidades de todo o mundo.

De acordo com o advogado e professor de direito Gabriel Sampaio, o plea bargain pode elevar o risco de condenação de pessoas inocentes e em situação de vulnerabilidade social, como pobres e negros. Por isso, segundo o professor, a rejeição por parte dos deputados deve ser comemorada.

O jurista explica que em outros países, como os Estados Unidos, muitas pessoas inocentes têm realizado o acordo para evitar a aplicação de penas mais graves.

“Como consequência disso, pessoas negras e latinas são levadas à prisão e o país americano possui a maior população carcerária do mundo”, comenta.

Os EUA possuem mais de 2 milhões de pessoas encarceradas. Em seguida, no ranking, está a China que acumula 1,6 milhão de presos. O Brasil ocupa o terceiro lugar, com mais de 812 mil pessoas reclusas, de acordo com dados do Banco de Monitoramento de Prisões do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O educador da Uneafro Brasil e articulador da Coalizão Negra por Direitos, Douglas Belchior, participou do debate na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) e defende que quando se trata do plea bargain é necessário discutir as consequências que a medida pode ter na vida de jovens negros e pobres que são presos injustamente.

“É necessário imaginar a situação de um jovem que vive na periferia e que durante um acordo denuncia criminosos ao sistema judiciário. Por mais que esse jovem tenha a pena reduzida pelo Estado, o mesmo não vai acontecer quando ele retornar para a comunidade, pois ele pode ser morto”, analisa.

Para Douglas Belchior, as medidas propostas no pacote de Moro devem aumentar o homicídio da população negra.

“Há historicamente uma autorização para se matar determinado perfil e com essa narrativa nos documentos de dirigentes do Estado, por exemplo, o capanga de um fazendeiro se sente muito mais autorizado a cometer crimes”, avalia.

De acordo com o Atlas da Violência de 2019, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 75,5% das vítimas de assassinato no país em 2017 eram negras.

Legítima defesa

A primeira versão do texto do pacote de segurança pública previa a possibilidade de redução da pena pela metade ou até mesmo a não aplicação em casos onde o réu – incluindo policiais – afirme legítima defesa por “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.

O texto, no entanto, foi criticado por entidades em defesa dos direitos da mulher por conta do trecho que fala sobre “violenta emoção”, pois o argumento poderia ser usado como justificativa para casos de feminicídio.

O novo texto estabelece que alegar legítima defesa não será possível em caso de crimes que configurem ato de violência contra a mulher. O movimento negro também comemora a retirada da medida por avaliar que esse tipo de crime recai de maneira ainda mais sensível sobre a mulher negra. Ainda segundo o Atlas da Violência de 2019, 66% das mulheres assassinadas no país em 2017 eram negras.

O texto final do pacote de segurança pública apresentado por Sérgio Moro ainda poderá sofrer mudanças durante a tramitação na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Nesta quinta-feira, 8 de agosto, ocorre outra audiência pública sobre o tema na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ).

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!