Um dos primeiros clubes a incluir jogadores negros na equipe, Vasco da Gama apresenta uniforme com os dizeres “Preto é a nossa cor; Negra é a nossa gente”

Texto / Pedro Borges
Imagem / Divulgação

O Clube de Regatas Vasco da Gama, um dos principais times de futebol do país, apresentou ao público no dia 29 de Abril o novo uniforme para o campeonato brasileiro de 2019. Na camiseta, há uma mão negra e outra branca se cumprimentando e a mensagem “A história mais bonita do futebol”.

A página oficial do clube divulgou um vídeo, em que apresenta todos os detalhes da camiseta feita pela empresa italiana Diadora, com a narração de um texto que ressalta a relação histórica entre o Vasco e a luta antirracista no país.

“Sempre estivemos do lado certo da história; Preto é a cor da igualdade; Negra é a nossa resistência”, diz um trecho do vídeo.

Essa não é a primeira homenagem ao povo negro feita pelo Vasco da Gama. Em 2011, o clube disputou a temporada com uma mão espalmada em preto e branco no uniforme e as palavras “Inclusão” e “Respeito”. 

História do clube

Apesar de não ser a primeira equipe a incluir atletas negros no grupo de jogadores, o Vasco da Gama coleciona importantes passagens ao longo da história que permitiram a maior inclusão de negros no esporte.

A principal remonta a 1923, quando o Vasco estreou na divisão especial do campeonato carioca e faturou o título com atletas negros e brancos pobres. A reação dos principais rivais, Flamengo, Fluminense e Botafogo foi a de sair da então Liga Metropolitana de Desportos Terrestres (LMDT) e fundar a AMEA (Associação Metropolitana de Esportes Atléticos).

A nova associação criou uma série de regras para proibir a participação de atletas negros, como a necessidade de um “emprego decente”, saber ler e escrever e exigir “condições sociais apropriadas para o convívio esportivo”. Diante desses pré-requisitos, a AMEA pediu o afastamento de 12 atletas do Vasco, que não cumpriam com as exigências básicas.

O então presidente do Vasco, José Augusto Prestes enviou em 7 de Abril de 1924 um ofício que ficou conhecido como a “Resposta Histórica”, em que o clube renunciaria participar do campeonato carioca sem os atletas negros. O documento está até os dias de hoje presente na galeria de troféus do clube.

A tréplica da AMEA anunciava o desejo do Vasco da Gama construir “equipes genuinamente portuguesas” com o objetivo e demonstrar a vocação “esportiva das verdadeiras qualidades dessa raça secular”.

Para o torneio regional de 1925, houve uma nova negociação entre as duas ligas, que aceitaram a participação do Vasco da Gama no torneio e a presença de atletas negros e pobres.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos