fbpx

Ativistas entregaram aos demais deputados carta de repúdio dos movimentos sociais negro e LGBTQIA+ à declaração do parlamentar

Texto / Pedro Borges
Foto / Luka França e Vinicius de Araújo

Um grupo com cerca de dez mulheres trans e travestis ocuparam os banheiros femininos da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), durante a tarde desta quinta-feira (11). O ato foi uma resposta à declaração do deputado estadual Douglas Garcia (PSL), que afirmou que tiraria “a tapa do banheiro uma mulher que se sente homem”. O pronunciamento ocorreu no dia 4 de abril, no plenário da Casa, após um pronunciamento de Erica Malunguinho (Psol).

As participantes também entregaram no gabinete dos 94 deputados da Casa uma carta de repúdio a Douglas Garcia e em apoio a Erica Malunguinho. O documento foi assinado por mais de 180 movimentos sociais, pessoas físicas e parlamentares - a maioria do campo antirracista e LGBTQIA+.

Jhoweny Orun de Miranda, integrante da Marcha das Mulheres Negras e do coletivo Transformação, fez uma avaliação positiva de toda a movimentação. Para ela, o ato cumpriu um dos objetivos: prestar solidariedade a Erica Malunguinho.

“É fortalecer a visibilidade de uma pessoa não cisgênera, uma pessoa T, que pode ser travesti ou transsexual, ocupando um espaço, principalmente político, que infelizmente não é posto para a gente”, disse.

As manifestantes também ocuparam a plenária e presenciaram a colocação de Erica Malunguinho, que relatou o protesto na casa. Em entrevista ao Alma Preta, ela falou sobre a importância do protesto.

“Lindo de ver mais de 180 organizações e entidades se posicionando contrária, fazendo um manifesto, um repúdio em relação à violência, ao discurso de ódio e violência proferido pelo deputado”, contou.

Um dos pedidos da carta é que a Alesp esteja atenta aos interesses da população LGBTQIA+ do estado. Para Erica Malunguinho, esse pedido é muito importante e está entre as prioridades da mandata. “Temos projetos em via de protocolo, que visam reverter atitudes como essa para a população LGBTQIA+”, explicou.

A integrante do coletivo Transformação e do Transarau, Patrícia Borges, disse que espera que depois da ação as pessoas vejam a comunidade LGBTQIA+ de maneira diferente na Casa legislativa do estado. “Nós estamos em pleno século XXI. É necessário que as pessoas aceitem a orientação de cada uma e que, independente de raça e cor, a gente tenha mais amor, seja mais recíproco”, disse.

A manifestação

O ato foi organizado por entidades do movimento negro e LGBTQIA+ em um curto espaço de tempo e tinha o intuito de alertar a Casa de que a sociedade civil organizada está de olho na atuação dos parlamentares, como explica Luka Franca, integrante do Movimento Negro Unificado (MNU).

“Para além da carta, a gente achava necessário ter uma resposta a essa Casa. Não é plausível um parlamentar vir e falar o que o Douglas Garcia falou enquanto parlamentar eleito”, disse.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com