fbpx

Terceira edição do “Troca-Troca” acontece nesta quinta-feira (10), no espaço cultural Aparelha Luzia, em São Paulo

Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges | Imagem / Anand Akshar

A terceira edição do “Troca-Troca”, talk show com discussões sobre masculinidades a partir das perspectivas de homens negros, será nesta quinta-feira (10), às 20h, no espaço cultural Aparelha Luzia, no centro de São Paulo.

O evento vai contar com a participação especial do terapeuta tântrico Anand Akshar. O profissional desenvolve em Moçambique um trabalho sobre masculinidades conscientes.

Entre os convidados também estão o terapeuta sensorial e tântrico Rajan Irineu; o músico Marcos Lobo; o professor e babalorixá Daniel de Oxaguian; e o jornalista e escritor Airan Balbino, um dos autores do livro “Diálogos Contemporâneos sobre Homens Negros e Masculinidades”.

A iniciativa, criada e mantida pelo fotógrafo e influenciador digital Roger Cipó, propõe a reflexão sobre as condições, contribuições e lugares que homens negros ocupam na sociedade e nas discussões de gênero.

"Não é uma palestra, nem um evento exclusivo para homens. É um espaço de troca que reúne pessoas interessadas em democratizar a discussão considerando as diferentes vivências e pensamentos sobre masculinidades e outros temas como afetividade, saúde mental, sexualidade, mercado de trabalho, intelectualidade, violência, arte, entre outros”, descreve Cipó.

Serviço:

“Troca-Troca – Diálogo das Masculinidades”

Quando: 10 de outubro, quinta-feira, às 20h

Onde: Aparelha Luzia | Rua Apa, 78, Campos Elíseos, São Paulo - SP | Próximo as estações Santa Cecília e Marechal Deodoro da Linha 3 – Vermelha do Metrô.

 

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com